quarta-feira, 12 de maio de 2010

A HIPÉRBOLE em expressão

ATIRE a primeira pedra o vivente que na vida nunca disse algum exagero. Sem contar exageros do tipo ‘A pior coisa do mundo é ...’, ou ‘a pior doença é ...’, e coisas desse gênero, é próprio do ser humano exagerar às vezes na expressão verbal como forma de dizer que algo é muito grande, muito pequeno, muito engraçado, muito distante. Sim, uns mais, outros menos, mas todos nós algum dia já falamos algo assim, que, se parássemos para pensar, notaríamos o exagero em ação. Às vezes só notamos depois.

Eu - macaco velho da parte infra-posterior desprovida de pelos - cá, fico a observar, garimpeiro de palavras que sou (Macacos me mordam, se eu exagero, que não é do meu feitio, longe de mim exagerar!) os dizeres do povo - e também dos poetas. Na música, por exemplo, uma prática comum dos poetas é fazer comparações, e quando se trata de amor – o tema predileto – então, é uma grandeza. Beth Carvalho já disse que ‘subia mais de 1800 colinas’, e Antonio Carlos e Jocafi já choraram um ‘toró de lágrimas’. Mas, em termos de música popular, o maior exagero que eu já vi (ou melhor, que já ouvi) foi Ivan Lins dizer a Madalena, que o peito dele percebeu que o ‘mar é uma gota’ comparado ao pranto dele (oh, coitado! Deve ter chorado muito por causa da moça!). Meu Deus, será que existe exagero maior que esse: o mar é só uma simples gota se for comparado ao que ele já chorou por Madalena. Olhe que há muitos outros, é só procurar.




No campo das expressões populares, quase sempre ditas com o fito de causar risos e gargalhadas – e nisso os humoristas são mestres – existem tantas e tantas expressões que precisaríamos escrever um livro (perdoem-me porque este também é um grande exagero, temos muitas mas um livro já seria muito, não acham?!). Certa vez escrevi que existem duas coisas impossíveis no mundo: nós homens entendermos as mulheres e o homem dar à luz, porém com o avanço da medicina ... Isto, naturalmente, é um exagero, porquanto, embora seja impossível aos homens entender as mulheres – e isso é uma verdade absoluta – também não é possível ao homem dar à luz, uma dádiva divina à fêmea da espécie humana.

Para fechar, vou enumerar algumas expressões que o meu povo fala e que são na verdade exageros, a famosa hipérbole, estudada na língua portuguesa:

- Mais perdido que cego em tiroteio;
- Mais folgado que colarinho de palhaço;
- Mais parado que olho de vidro;
- Mais fraco que correnteza de poço;
- Mais demorado que arroto de girafa;
- Mais grosso que motorista de ônibus (perdoem-me todos os motoristas de ônibus);
- Mais pedinte que filho de viúva;
- Mais alegre que pinto no lixo (na verdade a palavra é outra, mas não quero dizer aqui);
- Mais por dentro que bicho da goiaba;
- Mais por fora que bunda de índio (os mais velhos diziam: ‘mais por fora que umbigo de vedete’);
- Mais quebrado que arroz de terceira;
- Mais por baixo que barriga de cobra;
- Mais sofrido que sovaco de aleijado;
- Mais velho que Matusalém;
- Mais duro que (...) de noivo em véspera do casamento;
- Mais cheio de furo que tábua de pirulito (oh dizer antigo esse, hein! Do tempo em que havia tábua de pirulito, e do tempo em que se amarrava cachorro com lingüiça – outro);
- Mais enfeitado que burra de cigano em dia de feira (esse é bom, e antigo também; acho que tô ficando véio!);
- Mais enrolado que papel higiênico;
- Mais cheiroso que filho de barbeiro;
- Mais sujo que pau de galinheiro.



POR HOJE é só, pessoal! Vou parar por aqui, pois quem fala - ou escreve, como é o caso agora - dá bom dia a cavalo, e eu não quero falar de corda em casa de enforcado. Agora me dêem licença que vou ali no escritório, passar UM FAX.

VOCÊ leu postado abaixo, no dia 11 maio 2010 (A lâmpada escondida), o DIÁLOGO de um casal ainda no início da convivência! AGORA vamos ver o diálogo após 10 anos de convivência:

— Querido!
— Sim.
— Posso confiar em você?
— Você está doida? Não sou desse tipo de homem!
— Você seria capaz de me bater?
— Evidente! Sempre que possível!
— Me beija?
— Não! Por quê? Ainda pergunta?
— Alguma vez você já me traiu?
— Claro! Muito e muito.
— Você me ama?
— Não! Nem pense nisso.
— Você quer que eu vá embora?
— Finalmente!!! Custou tanto esperar por este momento.
(É exatamente o contrário do texto postado anteriormente, bastando apenas invertê-lo).
(Extraído do Jornal de Beltrão, edição de 11 maio 2010)





DURMA-SE com um barulho desses!

EXISTEM três frases que vão levar sua vida a diante: 1) Não diga que fui eu, 2) Já estava assim quando cheguei; e 3) Oh que boa idéia, chefe!


Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO por comentar e volte sempre ao BLOGUE do Valentim!