quarta-feira, 27 de outubro de 2010

MARCAS do amor


UM MENINO tinha uma cicatriz no rosto, as pessoas de seu colégio não falavam com ele e nem sentavam ao seu lado, na realidade quando os colegas de seu colégio o viam franziam a testa devido à cicatriz ser muito feia.
Então a turma se reuniu com o professor e foi sugerido que aquele menino da cicatriz não freqüentasse mais o colégio, o professor levou o caso à diretoria do colégio.
A diretoria ouviu e chegou à seguinte conclusão:
Que não poderia tirar o menino do colégio, e que conversaria com o menino e ele seria o ultimo a entrar em sala de aula, e o primeiro a sair, desta forma nenhum aluno via o rosto do menino, a não ser que olhassem para trás.
O professor achou magnífica a ideia da diretoria, sabia que os alunos não olhariam mais para trás. Levado ao conhecimento do menino da decisão ele prontamente aceitou a imposição do colégio, com uma condição:
Que ele compareceria na frente dos alunos em sala de aula, para dizer o por quê daquela CICATRIZ.
A turma concordou, e no dia o menino entrou em sala dirigiu-se a frente da sala de aula e começou a relatar:
- Sabe turma eu entendo vocês, na realidade esta cicatriz é muito feia, mas foi assim que eu a adquiri:
- Minha mãe era muito pobre e para ajudar na alimentação de casa minha mãe passava roupa para fora, eu tinha por volta de 7 a 8 anos de idade...
A turma estava em silencio atenta a tudo ...
O menino continuou: além de mim, havia mais 3 irmãozinhos, um de 4 anos, outro de 2 anos e uma irmãzinha com apenas alguns dias de vida.
Silêncio total em sala.
-... Foi aí que não sei como, a nossa casa que era muito simples, feita de madeira começou a pegar fogo, minha mãe correu até o quarto em que estávamos pegou meu irmãozinho de 2 anos no colo, eu e meu outro irmão pelas mãos e nos levou para fora, havia muita fumaça, as paredes que eram de madeira, pegavam fogo e estava muito quente... Minha mãe colocou-me sentado no chão do lado de fora e disse-me para ficar com eles até ela voltar, pois minha mãe tinha que voltar para pegar minha irmãzinha que continuava lá dentro da casa em chama. Só que quando minha mãe tentou entrar na casa em chamas as pessoas que estavam ali, não deixaram minha mãe buscar minha irmãzinha, eu via minha mãe gritar:
- "Minha filhinha está lá dentro!" Vi no rosto de minha mãe o desespero, o horror e ela gritava, mas aquelas pessoas não deixaram minha mãe buscar minha irmãzinha...
Foi aí que decidi. Peguei meu irmão de 2 anos que estava em meu colo e o coloquei no colo do meu irmãozinho de 4 anos e disse-lhe que não saísse dali até eu voltar. Saí de entre as pessoas, sem ser notado e, quando perceberam, eu já tinha entrado na casa. Havia muita fumaça, estava muito quente, mas eu tinha que pegar minha irmãzinha. Eu sabia o quarto em que ela estava. Quando cheguei lá ela estava enrolada em um lençol e chorava muito... Neste momento vi caindo alguma coisa, então me joguei em cima dela para protegê-la, e aquela coisa quente encostou-se em meu rosto...
A turma estava quieta, atenta ao menino e envergonhada, então o menino continuou:
Vocês podem achar esta CICATRIZ feia, mas tem alguém lá em casa que acha linda e todo dia quando chego em casa, ela, a minha irmãzinha me beija porque sabe que é marca de AMOR.
Vários alunos choravam, sem saberem o que dizer ou fazer, mas o menino foi para o fundo da classe e imovelmente sentou-se.
Para você que leu esta história, queria dizer que o mundo está cheio de CICATRIZ. Não falo da cicatriz visível, mas das cicatrizes que não se vêem, estamos sempre prontos a abrir cicatrizes nas pessoas, seja com palavras ou nossas ações.
Há aproximadamente 2000 anos JESUS CRISTO, adquiriu algumas CICATRIZES em suas mãos, em seus pés e em sua cabeça.
Essas cicatrizes eram nossas, mas Ele pulou em cima de nós, protegendo-nos, e tomou para si todas as nossas CICATRIZES.
Essas também são marcas de AMOR.
Jesus te ama, não por quem você é, mas sim pelo que você é, e para Jesus você é a pessoa mais importante deste mundo.
Nunca se esqueça disso!





Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

terça-feira, 19 de outubro de 2010

DENTISTAS da FAB atendem comunidades carentes em Pernambuco


ODONTOCLÍNICA  de Aeronáutica de Recife (OARF) realizou, na segunda-feira (18), 177 atendimentos odontológicos em adultos e crianças nas comunidades carentes do bairro de Afogados, região metropolitana de Recife (PE). A Escola Estadual Amaury de Medeiros foi a base de apoio para o trabalho da equipe coordenada pelo diretor da OARF, Tenente-Coronel Dentista César Junqueira, composta por 20 oficiais dentistas, seis graduados, oito acadêmicos de Odontologia e três alunas do curso de Auxiliar de Saúde Bucal.
DENTRE os vários procedimentos efetuados, pode-se destacar extrações simples, profilaxias, aplicação tópica de flúor e orientação sobre higiene oral. Também foram distribuídos kits de higiene bucal, compostos de escova e creme dental. Esta é a 64ª Ação Cívico-Social promovida pela OARF nos anos de 2009 e 2010.  A expectativa é de realizar mais três missões até o final do mês de outubro para finalizar as comemorações da Semana da Asa.
(matéria transcrita da página institucional da FAB, em 19out.2010)

COMENTÁRIO do blogueiro:
O brasileiro precisa conhecer mais o trabalho das nossas Forças Armadas. SÓ orgulho de ser fabiano.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

FAB transporta mantimentos para vítimas da seca no Norte

A FORÇA AÉREA Brasileira iniciou uma operação de ajuda humanitária às vítimas da seca na Região Amazônica. A ação inclui o transporte de alimentos, medicamentos e kits de higiene arrecadados pela Defesa Civil do Amazonas para os municípios atingidos pela estiagem.

Ao todo, serão transportados cerca de 600 toneladas de mantimentos para os pólos de recepção da Defesa Civil nos municípios de Tabatinga, Cruzeiro do Sul e Tefé.
Até esta quarta, a FAB já levou 338 toneladas, empregando duas aeronaves C-130 Hércules (1°/1° GT e 1° GTT) e dois C-105 Amazonas do 1°/9° GAv, num esforço aéreo de aproximadamente 150 horas.

A Operação Seca deve continuar até o dia 16 de outubro, minimizando problemas para cerca de 40 mil famílias do interior do Amazonas, cujos municípios que já se encontram em estado de emergência. 
(Matéria extraída do Portal do Comando da Aeronáutica - www.fab.mil.br).

terça-feira, 12 de outubro de 2010

A NOSSA Força contra a tragédia no Nordeste

A CASA, que tinha móveis, fotos e histórias, foi inundada. A criança, que brincava de sonhos simples, reconheceu o pesadelo na superfície. Os adultos, que trabalhavam na terra ou iam de carroça até mais adiante, avistaram a desesperança numa onda forte e permanente. Os olhos de todos eles não enxergavam mais nada. Eram apenas espelhos retorcidos da água que corria, corria mesmo, em barulho devastador, lá embaixo. Como em uma tsunami, a destruir bem mais do que as paredes, a carregar olhares perdidos. Janelas também submergiram. São pelas janelas que se olha para o mundo. Apoiados em telhados ou em galhos de árvores, os olhares, em dor, acostumaram-se também a observar o céu. Não só para pedir clemência às nuvens, mas também por saber que ajuda poderia vir dos ares. Os rotores dos helicópteros ajudaram a mudar o som da tragédia. Em Pernambuco e Alagoas, as enchentes resultaram, no final de junho, em pelo menos 41 mortes, 115 mil desabrigados, 24 cidades em estados de calamidade pública e tantos outros desespero incontáveis. Atuações de militares e civis ajudaram a minimizar a dor de tanta gente.
A PARTIR do momento seguinte às cheias, a FAB empregou meios de vários locais do País, criando um corredor aéreo humanitário que atuou na urgência para resgatar 94 pessoas e depois na atuação com as consequências da enchente. Os profissionais de saúde da Aeronáutica já haviam atendido mais de três mil pessoas. Segundo os médicos, entre os assistidos destacam-se crianças e vítimas de cortes nas pernas e nos pés.
ALÉM deles, tripulações de diferentes esquadrões participaram do transporte de alimentos e remédios para cidades completamente isoladas com a destruição de acessos terrestres. Os militares, como havia ocorrido em Santa Catarina (2008), no Maranhão e no Piauí (2009), entregaram-se completamente à causa. Eles ficaram impressionados com a situação e não esquecerão o rosto das pessoas. "Só quem passou por lá e colocou a bota naquela lama é que pode dizer qual foi o sentimento e a dor que eles tiveram", disse o Comandante da Operação, Major-Brigadeiro-do-Ar Hélio Paes de Barros Júnior.
(extraído do NOTAER nº 10, ano XXXIII, de 15jul.2010)

COMENTÁRIO do autor:
MUITO me orgulham ações humanitárias como essa. Este escrevinhador pessoalmente já presenciou tantas ao longo de sua carreira na Aeronáutica. É muito salutar que a sociedade brasileira como um todo soubesse do quanto colaboram nossas Forças Armadas, gente laboriosa e solidária, em favor das pessoas menos favorecidas, mormente em momentos dolorosos como os que castigaram nossos irmãos de Alagoas e Pernambuco.
LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

domingo, 3 de outubro de 2010

2º CINDACTA promove terceiro encontro dos inativos e pensionistas

ACONTECEU nesta sexta-feira, dia 1º de outubro último, o 3º Encontro dos Militares da Reserva, Inativos e Pensionistas da Aeronáutica vinculados ao CINDACTA II. A valorosa Organização Militar do Comando da Aeronáutica, sediada em Curitiba - PR,  promoveu grande festa para receber esses companheiros mais experientes, mais vividos, para um grande encontro, sob a coordenação da Seção de Pessoal Inativo, chefiada pela Tenente-Coronel Valéria. O evento, que contou com mais de uma centena de companheiros e companheiras, começou com a formatura de hasteamento da Bandeira Nacional, seguida de desfile militar do efetivo do Cindacta, sendo o primeiro grupamento composto pelos militares da reserva e reformados. Em seguida houve a reunião de todos no pátio de desfile para uma fotografia, que ao final foi entregue como lembrança do evento para cada um dos visitantes. Seguiu-se o café da manhã e, como fecho, uma paletra ministrada pelo General Reformado Cezar Nicodemus de Sousa, do Exército Brasileiro.
Assim se pronunciou o Sr. Coronel Leônidas, dirigindo-se aos visitantes:
"PREZADOS oficiais e graduados da reserva da Aeronáutica, Inativos e Pensionistas do CINDACTA II. O Cindacta 2 sente-se honrado e dá as boas vindas aos companheiros da Reserva presentes. As muitas experiências adquiridas nas diversas fases da carreira, onde aprendemos a ser subordinados antes de comandar e chefia, a obedecer antes de ordenar, a executar tarefas antes de determinar missões e a tornar práticas muitas teorias, leva-nos a recordar momentos ímpares da nossa existência.
Muitas são as experiências enriquecedoras vividas que não se aprendem nos bancos escolares. Temos como um legado as amizades e o companheirismo forjados ao longo da carreira e isso tem muito significado para nós, os combatentes. E é nesse espírito que esta Organização Militar os recebe para o Terceiro Encontro de Militares da Reserva, Inativos e Pensionistas do CINDACTA II.
Rememoremos fatos e acontecimentos. Aproveitemos a oportunidade para rever os amigos e companheiros que trabalharam nesta Organização.
Sejam bem vindos a esta casa."
O autor sentiu-se, particularmente, muito feliz com a iniciativa, militar da reserva da Aeronáutica que é, ao rever amigos que há muito não via. Um deles perguntou-me: 'Valentim, que mais te marcou neste trinta anos?'. Respondi-lhe: 'Duas coisas me marcam muito: a primeira é constatar que o Brasil é um país maravilhoso, e a segunda, é o fato de ter feito muitos amigos'.

LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!