segunda-feira, 8 de agosto de 2011

MARLETH Silva: Vai dormir, p*##@!

Felipe Lima /
Arte: Felipe Lima


Crianças não querem que o dia acabe. Parecem não estar convencidas de que depois do sono virá outro dia


por Marleth Silva

ESTÁ ESCRITO na capa do livro que ele é o “primeiro lugar na lista do New York Times. Com esse título? Qual o título? "Vai dormir, p*##@". Não fui eu que inventei os sinais para substituir o palavrão. Foi o autor do livro, Adam Mansback.

Confiro. De fato, Vai dormir, p*##@ é o primeiro em uma das listas de mais vendidos do jornal mais famoso do mundo, que mantém várias delas. Segue o padrão dos livros infantis, com ilustrações e textinhos curtos em forma de versinhos. Só que é livro para adultos. Mais precisamente para adultos que um dia tentaram fazer uma criança dormir e perderam a batalha. O pai-narrador tenta ser “fofinho”, falando em bichinhos, leitinho e anjinho. Mas termina cada página com um “vai dormir, p*##@”. Obra não recomendada para crianças, é claro. Por isso o livro vende tão bem: quem é que não se solidariza com o pai que fica uma hora do lado do filho, falando no diminutivo e mostrando desenhos fofinhos e o pestinha insiste em ficar acordado? 

Crianças não querem que o dia acabe. Parecem não estar convencidas de que depois do sono virá outro dia. Discuti o assunto com um menino. Ele me explicou sua teoria sobre o tema: as crianças não querem crescer e acham que não indo dormir enganam o tempo. Como se dissessem para o tempo:

– Ei, eu nem dormi! O dia não acabou, portanto! E não preciso crescer nem um pouquinho que seja.

(Aliás, cá entre nós, cada um a seu modo, adolescentes e adultos também não fazem isso? Viver a vida em ritmo acelerado, por exemplo, não é um artifício para tentar enganar o tempo?) 

Desconfio que, lá no fundo, as crianças também fazem aquela frescura toda para aproveitar a companhia do pai ou da mãe que está ao seu lado. Pense bem: quando você tem quatro, cinco, seis anos, tem coisa melhor que ter o pai ou a mãe ao seu lado, falando baixinho e contando história? Não tem. Talvez só nos demos conta disso em duas fases da vida: lá na infância, quando desfrutamos dessa companhia que parece perfeita e por isso grudamos nela, e lá na frente, quando não temos mais a companhia que agora sabemos que podia não ser perfeita, mas era tão especial... 

Pelo que me lembro meu pai não tinha muita imaginação. Contava sempre o mesmo enredo com três personagens (podiam ser os três porquinhos ou Huguinho, Zezinho e Luizinho). Funcionava, porque a audiência dele era formada por três menininhas, que se identificavam com o trio de personagem fossem eles porcos ou patos. Quando ele cansava e nós não dávamos sinais de encerrar a sessão coruja, ele fazia um “vaca amarela...”. Desconfio que era o correspondente ao “vai dormir, p*##@”, do Adam Mansback. Não funcionava muito bem, vinham os risinhos e as provocações, mas uma hora a gente desistia ou era vencida pelo cansaço. E meu pai podia dormir.

Há algo incrivelmente poderoso no homem que inventa historinhas bobas para crianças, que oferece a elas a firmeza de seu corpo e de sua presença – em contraposição à delicadeza e suavidade da mãe. Não importa que se desesperem às vezes e soltem um “vai dormir, p*##@”. Pais são homens em seu grande momento. (Gazeta do Povo, Curitiba, Brasil, em em 06ago.2011).

"AMAI-VOS uns aos outros como eu vos tenho amado"

2 comentários:

  1. !Qué grandes momentos esos de los cuentos!, no quieren dormir están encantados de la vida, un abrazo!

    ResponderExcluir
  2. OBRIGADO, Silvo, por tua visita ao nosso humilde blogue. Um grande abraço!

    ResponderExcluir

OBRIGADO por comentar e volte sempre ao BLOGUE do Valentim!