segunda-feira, 24 de setembro de 2012

A FARRA dos apelidos exóticos nestas eleições

É a eleição dos candidatos do esculacho


PODE alguém ser candidato a vereador num país sério inscrito com o nome de Cido Putão?

Pode, sim, e é bem capaz de ser eleito.  Tem um sujeito com esse nome concorrendo às eleições em Águas de Lindóia, interior de São Paulo, um dos muitos personagens citados diariamente por José Simão em sua "Galera Medonha, a Turma da Tarja Preta", a coluna mais séria da imprensa brasileira.

Nas eleições municipais de 2012, o esculacho é geral, pode tudo. O mais comum é o candidato ligar o nome à sua ocupação para transformar a profissão em sobrenome.

Em São Carlos, também em São Paulo, próspera cidade universitária e industrial, tem Mineiro Garapeiro, Baixinho Borracheiro, Boy do Algodão Doce, Julião do Lanche, Porteiro Barnabé, e por aí vai. Isso é o de menos.


Na mesma cidade, disputam vagas na Câmara Muncipal tipos como Xisto Mateus o Demolidor, Noemia do Piu-Piu, Luiz Pixoxó, Pedro Paraná do Escoramento.

Na capital paulista, o quadro não é muito diferente. Tem candidato para todos os gostos. A começar por Wadão e o Jegue Dente de Ouro, um dos que mais aparece nos programas eleitorais do PMDB, passando por Valdecir Cabra Bom, do PTB, Belê Belê, do PRB, Baxinho Dog, do PPS, e Marronzinho do Trânsito, do PT. 

A esculhambação é pluripartidária entre os mais de 480 mil candidatos registrados no Tribunal Superior Eleitoral disputando vagas de prefeito, vice e vereador em todo o país.
Um cidadão chamado Paulo Murilo de Oliveira, candidato a vereador pelo PTB em Bicas, no sudeste de Minas Gerais, registrou o emblemático nome de Picareta. 

Também em Minas, um candidato a vereador pelo PSB em Divinópolis, abdicou do seu nome de batismo, Evangelista Ricardo, e para disputar uma vaga de vereador registrou-se como Safado. 

A Resolução nº 23.373 do Tribunal Superior Eleitoral impõe restrições aos candidatos que registrem nomes "fora dos padrões normais", adotando apelidos esdrúxulos, mas parece que ninguém dá muita bola a isso. 

Uma exceção foi o juiz João Maurício Guedes Alcoforado, da 151ª Zona Eleitoral do Recife, que ameaçou caçar o registro de candidatos com nomes considerados um tanto estranhos como Furúnculo Maligno, Silvana de Toinho do Táxi e Roberto do Bloco Bimba Mole. 

Tem um monte de candidato que adotou o "nome artístico" de Lula ou Obama, mas a campeã de xarás nestas eleições é a presidente Dilma Rousseff. São 143 Dilmas inscritas no TSE. 

Um levantamento feito pelo jornal "O Globo" esta semana mostra casos bizarros como o de Maria Aparecida Oliveira, de Montes Claros, Minas Gerais, que resolveu adotar o nome da presidente da República com esta justificativa: "Desde pequena, uma madrinha me chama de Dilma e muitos pensam que é meu nome de verdade. Se isso influenciar na hora do voto, vai ser ótimo". 

É o que pensa também Eulina Avilino, de Santa Luzia, no Maranhão, que não deu explicação nenhuma para simplesmente adotar o nome Dilma do Povão. Em Pureza, no Rio Grande do Norte, Josilma Bezerra Gomes apenas achou bonito se candidatar como Dilma do Badú. 

Casos como o de Cido Putão e outros ainda mais grotescos pipocam por todo o país, transformando a eleição num circo de horrores que certamente não contribui para melhorar a jovem democracia brasileira. 

E na sua cidade, caro leitor do Balaio, como se apresentam os candidatos? Algum, por acaso, disputa a eleição com o nome de Honesto? (Balaio do Kotscho)

Um amigo meu, nos anos 80, dizia que em Minas havia um candidato a vereador de nome Sebastião Cocô. Seu lema era "Bosta por bosta, vote em Cocô". Aqui em Dois Vizinhos, sudoeste do Paraná, tem um outro com o apelido de Pinóquio. Este, se reeleito, não poderá dizer que enganou o eleitor; sorte dele é que a maioria de seus eleitores não conhece o conto italiano. Na verdade, na verdade, o que esses candidatos apostam mesmo é na falta de politização do eleitor, que, julgando todos os políticos iguais, vota em candidatos, digamos 'exóticos', como uma forma de protesto. É o que ocorreu, por exemplo, com o Macaco Tião, com o índio Juruna e com o palhaço Tiririca.

3 comentários:

OBRIGADO por comentar e volte sempre ao BLOGUE do Valentim!