quinta-feira, 4 de outubro de 2012

RONALD Reagan, diretamente do Além

Se eu não entendi nada, imagine o Bush
 
 
COMO um bom ex-presidente, cheio de tempo livre e saudade do poder, resolvi me meter em assuntos para os quais não fui chamado. Aposentadoria com holofotes dá nisso. E o tema da vez são as próximas eleições no Brasil. Me deu vontade de saber que candidatos, um republicano e anticomunista convicto, como eu, deveria apoiar. Na época da ditadura, essa decisão era automática, simples. Aliás, nem eleições havia. Mas agora os tempos são outros, o quadro é múltiplo, tal resposta exige um pouco de pesquisa.

Por isso, lá fui eu pra internet. Minha primeira providência foi conferir que alianças o PR, Partido Republicano, costurou em cada estado. Achei que ali encontraria a resposta. Que nada, tive de montar uma tabela no Excel para concluir que o PR apoia ou é apoiado por quase todos os grandes partidos. A saber: PMDB, PSDB, DEM, PDT, PT e PSB (Partido Socialista Brasileiro). Portanto, descartei essa opção. Durante a pesquisa, descobri que o PR não era o que eu estava procurando. Me inteirei de que a versão mais próxima do que seria o Partido Republicano Americano no Brasil é o Partido dos Democratas. Mas com esse nome disgusting não há como apoiá-los.

Então desisti de tentar entender o quadro de alianças regionais. Selecionar governadores ficou muito complicado. Me resignei a escolher só o candidato a presidente. Para fazer essa análise, desta vez, abandonei os partidos e parti para as pessoalidades. Fui atrás dos políticos históricos e confiáveis. Pensei: o apoio deles determinará o meu. O nó ficou maior. Não entendi nada quando li que Collor e Sarney apoiam a candidata do PT e que Jarbas Vasconcellos, Maluf e Quércia estão com o candidato do PSDB. Minha turma está dividida.

Entenda, para nós americanos, branco é branco, preto é preto, Michael é Michael e a Lady Gaga é a Lady Gaga. Não suportamos indefinições. Meu último recurso foi assistir ao debate dos candidatos a presidente da República na televisão. E lá, finalmente, encontrei meu eleito. Todos pareciam muito semelhantes em seus discursos. Porém, havia um candidato velhinho que destoava. Ele não teve medo de emitir suas posições estúpidas de forma clara e inequívoca. Não era exatamente o que eu queria. Mas se ele ganhar, talvez volte a Guerra Fria. (Ronald Reagan às vésperas das eleições de 2010, Blog do Além)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO por comentar e volte sempre ao BLOGUE do Valentim!