sexta-feira, 30 de novembro de 2012

RICARDO Kotscho: A hora da verdade para Lula e o PT


pt A hora da verdade para Lula e o PT
"POR QUE o bloguista inexplicavelmente não conta nada sobre Rosemary e o possível envolvimento do ex-presidente Lula em algumas operações ilícitas? Aonde está a sua imparcialidade de jornalista?", pergunta o leitor Fernando Aleador, em comentário enviado às 04h57 desta sexta-feira.

Tem toda razão o leitor.

Demorei para escrever e dar esta resposta porque, para mim, estes últimos foram os dias mais difíceis da minha já longa carreira, posto que os fatos envolvem não só velhos amigos meus, como é do conhecimento público, mas um projeto político ao qual dediquei boa parte da minha vida.

Simplesmente, não sabia mais o que dizer. Ao mesmo tempo, não podia brigar com os fatos nem aderir à guerra de extermínio de reputações e de desmonte da imagem do ex-presidente Lula e do PT que está em curso nos últimos meses.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

JOELMIR Beting

JOELMIR José Beting (Tambaú, 21 de dezembro de 1936 — São Paulo, 29 de novembro de 2012) foi um jornalista e sociólogo brasileiro.

Nascido em Tambaú, interior de São Paulo, começou a trabalhar nas plantações da propriedade de sua família aos sete anos. "A minha origem é, de certa forma, de boia-fria", lembraria o jornalista em entrevista à revista Imprensa em julho de 2012. Depois de ser coroinha na igreja da cidade, o padre Donizetti Tavares de Lima arrumou-lhe o primeiro emprego, na rádio de Tambaú, aos quinze anos.

Em 1957, aos dezenove anos de idade, Beting foi para São Paulo onde estudou Sociologia na Universidade de São Paulo, na mesma turma de nomes como Ruth Cardoso e Francisco Weffort.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

O INÚTIL esforço para destruir um mito

Por Miguel do Rosário, no blog O Cafezinho:

O GLOBO de hoje oferece um interessante estudo de caso. A Polícia Federal prendeu diretores de agências reguladoras e a chefe do escritório da presidência da república em São Paulo, a senhora Rosemary Noronha. Um lamentável episódio que merece mesmo a primeira página dos jornais. Até aí tudo bem. O Globo, no entanto, força tremendamente a barra ao usar o escândalo para atingir Lula.




Primeiramente, o escândalo não tem nada a ver com o mensalão. Encontraram ligações entre Valdemar Costa Nesto e Paulo Vieira, diretor da Anac, mas o teor das conversas e o histórico de ambos revelam que o interesse comum eram negócios no Porto de Santos. Não tem nada a ver com mensalão, nem com Lula. Valdemar já foi diretor da Companhia Docas de São Paulo (Codesp) e o grupo de Vieira atua na mesma região portuária.



Falar em “elo” entre os dois escândalos seria como encontrar conexão entre a privataria tucana e os desvios de verba nas obras do Rodoanel em São Paulo. Pode haver personagens em comum, porque os mesmo corruptos operam em frentes distintas. Mas uma coisa não tem a ver com outra.

Mas isso é o de menos. A cachorrada mesmo é a perseguição implacável de Lula.

Vejam só. Uma funcionária de terceiro escalão é apanhada pela Polícia Federal e a foto de quem aparece com destaque na página 4?

FULECO ou Fuleiro?!



segunda-feira, 26 de novembro de 2012

MAURO Santayana: A marca da maldade




NO SÁBADO, dia 17, um Policial Militar de Goiânia foi preso por matar um morador de rua e sob suspeita de tráfico de drogas. Com 38 anos e 20 de corporação, ele já fora indiciado por dois homicídios contra mendigos, em 2006 e 2008; por uma tentativa de homicídio; pelo espancamento de uma mulher, também em 2008, e pelo assassinato de William Pereira Nunes.

Mesmo assim, o soldado Rogério Moreira da Silva, o “Xaropinho”, só chamou realmente a atenção da Corregedoria, quando, acusado de extorquir mendigos, armado de uma pistola, e à paisana, resistiu à abordagem de seus colegas de farda.

O CHORO de Boris Casoy e o sorriso do gari Francisco Gabriel





Por Davis Sena Filho — Blog Palavra Livre

Réveillon de 2009. Horas antes da virada de ano. O tom do comentário foi de desprezo, ironia, torpeza, e, mais do que tudo: profundo preconceito social, pois arraigado em sua alma elitista, e, ao que parece, em seus mais secretos princípios, guardados em segredos e somente pronunciados àqueles que o Boris Casoy considera como seus iguais.


"Que merda! Dois lixeiros desejando felicidades do alto das suas vassouras. O mais baixo na escala do trabalho" — comentou, o mordaz e inconformado Casoy ao seu colega, Joelmir Beting, politicamente tão conservador como ele, com a presença de garis na tela da Band, a desejarem “feliz ano novo” no intervalo publicitário do Jornal da Band.

sábado, 24 de novembro de 2012

PRESIDENTA Dilma promove a primeira mulher a posto de oficial general nas Forças Armadas

A PRESIDENTA Dilma Rousseff assinou hoje (23) a promoção da primeira mulher a alcançar o posto de oficial superior nas Forças Armadas. A integrante da Marinha, Dalva Maria Carvalho Mendes, foi promovida de capitã de mar e guerra para contra-almirante, terceiro posto mais importante da força. Formada em Medicina, com especialização em anestesiologista, a contra-almirante Dalva ingressou na Marinha em 1981, na primeira turma do Corpo Auxiliar Feminino de Oficiais. Durante quase toda sua carreira trabalhou no Hospital Naval Marcílio Dias, no Rio de Janeiro, chegando ao cargo de vice-diretora. Atualmente é diretora da Policlínica Naval Nossa Senhora da Glória. A contra-almirante tem ainda curso de Política e Estratégia Marítima da Escola de Guerra Naval. A promoção da contra-almirante Dalva foi assinada durante reunião entre a presidenta Dilma Rousseff e o ministro da Defesa, Celso Amorim. Também foram assinadas as promoções de outros militares. Ainda não foi definida a data da cerimônia de apresentação dos promovidos à presidenta Dilma. A Marinha foi a primeira força a autorizar o ingresso de mulheres, a partir de 1980, restrita ao já extinto Corpo Auxiliar Feminino da Reserva da Marinha, tendo perfil de carreira próprio e acesso limitado a determinados cargos e ao serviço em terra. Entre 1995 e 1996, foi estendido o acesso das oficiais aos corpos de saúde e de engenheiros navais. Em 1997, a participação das mulheres foi novamente estendida e hoje elas podem também participar de áreas como o corpo de intendentes e auxiliar da armada. (Agência Brasil)

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

BLOGUE do Valentim há um ano: Um Aviador brasileiro atrás das linhas inimigas

5ª parte

…continuação da postagem anterior.
Danilo e um dos italianos que tanto o ajudaram
… Ainda não tinha achado um meio de atravessar o Pó. Conta ele, muito ingenuamente, que teve o seguinte raciocínio, que mais parece anedota, mas que é fato. Resolveu seguir aquela margem do rio, sempre pelo lado norte e sempre para oeste, rumo à nascente do rio, onde naturalmente ele seria muito mais estreito, e então atravessá-lo seria facílimo. Talvez com um pulinho… E o Pó nascia quase na França… Para ele isso tudo eram “pequenos detalhes técnicos”… Com este propósito, foi caminhando para a “nascente”… Caminhou um bom pedaço naquela direção. Os seus joelhos doíam. A distância começou a parecer maior. Sentiu-se cansado e a “nascente” não aparecia… O dia terminava. O almoço não tinha sido grande coisa, o estômago reclamava, o frio parecia aumentar. No dia seguinte começaria mais cedo. Havia uma aldeia próxima, e ele seguiu naquela direção. Na terceira casa à beira da estrada, estava um italiano, igual a milhares de outros, rachando lenha. Achava a sua lenha e ato contínuo empilhava-a ao seu lado. O Índio, cansadíssimo, caminhara todo o dia, com a moral abatida, desanimado, sentou-se ao lado do monte de lenha rachada, a observar o italiano por longo tempo. O machado subia e descia compassadamente e os pedaços de lenha iam sendo jogados para a pilha ao lado. Aquele mister doméstico fê-lo recordar os seus, lá no Rio Grande do Sul, que cada vez mais tinha dúvida se iria revê-los, mas que ao mesmo tempo davam-lhe forças para lutar contra aqueles obstáculos. Além disso, o dia do pagamento aproximava-se… Tinha de chegar a tempo.


Os minutos se passaram. Nenhum dos dois disse uma palavra. O machado subia e descia sobre a lenha e as achas aumentavam o monte. Por fim, o italiano perguntou-lhe o que queria. Entrou com a velha história de bombardeado, arruinado etc. e terminou pedindo-lhe um copo d’água, comida e pousada. O lenhador ouviu tudo com a máxima atenção, deu-lhe vinho, comida e água e agasalhou-o em sua casa. O nosso homem procurava responder o menos possível e o “paisá” não insistia cordatamente. À noite brilharam as estrelas no belo céu de uma noite de inverno italiano, e com muito mais intensidade brilhou a grande estrela do nosso rio-grandense, na pessoa daquele camponês acolhedor. Chamando-o, o italiano disse-lhe simplesmente que acreditaria na sua história, se não fossem as suas botinas… O gaúcho sentiu-se perdido: fora descoberto! Breve seria entregue aos alemães, foi o que pensou naquele instante desanimador. O italiano então desfez-lhe as dúvidas. Estava em boas mãos. Nada tinha a temer. Abriu o jogo – disse o gaúcho. Naquele homem ignorado, com sua função de pedreiro de aldeia pobre, residia mais um dos muitos heróis anônimos daquela guerra.

REGO Barros de novo é campeão

Escola Rêgo Barros tem a melhor nota do Pará no Enem


MAIS uma vez a condição econômica se refletiu no desempenho dos estudantes paraenses no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Somente oito escolas públicas aparecem na lista das cem melhores instituições de ensino do Pará na avaliação realizada no ano passado. Destas, nenhuma é da rede municipal de ensino e apenas duas são estaduais. Os destaques entre as escolas não privadas, são os colégios de aplicação de universidades, escolas técnicas e federais. É o caso da Escola de Ensino Infantil Fundamental e Médio Tenente Rêgo Barros, que assumiu o posto de melhor escola do Estado (era a segunda no ano passado), com média geral de 626,86 pontos. No entanto, a melhor escola do Pará só aparece na 322ª posição no ranking nacional. As notas por escola foram divulgadas ontem pelo Ministério da Educação (MEC). As notas levam em conta as médias obtidas pelos alunos de cada escola que participaram do Enem em cada uma das quatro provas objetivas (ciências humanas, ciências da natureza, linguagens e códigos, e matemática), e também na redação. A média final, no entanto, não leva em conta a nota da redação que, segundo o MEC, usa critérios subjetivos e não utiliza a Teoria de Resposta ao Item (TRI), como as outras provas. Apenas escolas com mais de 50% de participação e o mínimo de 10 alunos foram consideradas, dando um total de 180 escolas no Pará e 10.076 em todo o País. As outras escolas públicas que figuram no 'Top 100' do Pará são o Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Pará - Campus Belém, com nota 577,69 (7ª posição no ranking estadual e 1.829ª no nacional); Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Pará - Campus Tucuruí, com nota 556,07 (22ª no Pará e 2.828ª no Brasil); Escola de Aplicação da UFPA, em Belém, com média 529,90 (50ª e 4.013ª); Escola Estadual São Raimundo Nonato, de Santarém, com nota 510,44 (83ª e 5.034ª); Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Pará - Campus Abaetetuba, com média geral 509,55 (87ª e 5.079ª); Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Pará - Campus Castanhal, com 508,07 (89ª e 5.172ª); e a Escola Estadual Jornalista Romulo Maiorana, com 499,99 (100ª e 5.702ª). Fonte: O Liberal

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

POR QUE nunca precisamos de cotas no futebol?

Por Felipe Carrilho

“NÓS não temos um problema racial. No Brasil, os negros conhecem o seu lugar”, diz um sinistro ditado, que poderia servir de epígrafe para análises de intelectuais conservadores ou mesmo para ilustrar muitos comentários que se lê por aí nas redes sociais em tempos de implementação de políticas reparatórias por parte do governo federal.

Muitas são as janelas que permitem sondar a dinâmica social de um país. Esta coluna procura fazer isso por meio da história do futebol brasileiro. No mês da Consciência Negra, cabe indagar em que medida o processo de integração dos descendentes de africanos no esporte que se tornou uma verdadeira “instituição nacional” pode revelar o destino social que a população negra do Brasil teve no período pós-abolição do sistema escravocrata.

No final do sáculo 19, a intelectualidade do País estava empenhada em discutir a questão da nacionalidade brasileira que tinha na presença do negro, no seu entender, um problema crônico. Optou-se, então, por uma política de branqueamento, na qual o incentivo à imigração europeia para abastecer as lavouras de café e a produção da indústria era fundamental. Para Oliveira Viana, o apologista mais notório da arianização da nossa sociedade, o mestiço representava um atraso inevitável para o Brasil que só poderia ser amenizado com a diluição gradual e progressiva do elemento negro.

Nas décadas subsequentes, apartados do trabalho formal, os descendentes de africanos foram protagonistas no processo de democratização do futebol, cuja prática estava até então reservada para os filhos das nossas elites, encastelados nos clubes grã-finos das principais cidades. Atuando nos times de várzea, com bolas e uniformes muitas vezes improvisados, o negro mostrou competência esportiva e esteve no centro da luta pela profissionalização do futebol, que dava estatuto de trabalhador formal ao jogador.

Em seu livro Corações na Ponta da Chuteira, o historiador Fábio Franzini apresenta uma emblemática disputa ocorrida no dia 13 de maio de 1927. Um jogo que opunha duas seleções, a dos brancos, jogadores das maiores equipes paulistas da Associação Paulista de Esportes Atléticos, e a dos negros, que atuavam em divisões secundárias ou mesmo em clubes da liga amadora. O jogo terminou com a vitória da “seleção negra” por 3 a 2, e o sucesso de público fez com que o encontro fosse repetido por mais de 10 anos, com ampla maioria de vitórias dos negros.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

O DIA da Consciência Negra tem razão de existir


por Fátima Oliveira,no Jornal OTEMPO
Médica – fatimaoliveira@ig.com.br



NA TARDE do feriado do dia 15, fui bater pernas num shopping, coisa não habitual, pois gosto de comprar em lojas de rua! Todavia, foi uma das coisas prazerosas que fiz ultimamente. Dei de cara com duas lojas puro encanto. Tem razão quem diz que, mesmo para quem não é de natureza consumista – o meu caso; sou de poucos desejos -, olhar vitrines tem valor terapêutico.

Nada comprei, mas desejei quase tudo na L’’Occitane. Estar ali é passear pela Provença e seus cheiros. Embora aconchegante, o ambiente é minúsculo e falta um banquinho para a gente sentar e se envolver nas fragrâncias provençais… Na Granado, fundada em 1870 pelo português José Antônio Coxito Granado, foi uma imersão no passado. Diante do Polvilho Antisséptico Granado, criado em 1903, vi vovó passando-o em meus pés de criança antes de dormir à noite – coisa obrigatória para não ter chulé! Saí cheia de latinhas, uma colônia e dois sabonetes de alfazema, meu cheiro de adolescência antes de ser viciada em Promessa, da Myrurgia, e Fleur de Rocaille, da Caron.

À noite, em casa, olhando os mimos da Granado, bateu saudade apertada e até senti o cheiro do Sabão Aristolino, que, bem antes da existência e da popularização do xampu, era a única coisa líquida espumante para banhos e para lavar cabelos. No internato do Colégio Colinense, cada menina possuía o seu Aristolino, até para escovar os dentes e como medida número um de higiene “naqueles dias”; e até quem não gostava do cheiro usava-o, obrigatoriamente, durante a menstruação!

O Sabão Aristolino foi criado pelo médico de Paquetá dr. Aristão Gonçalves Neves (1891-1934), que também era “prático de farmácia”, ofício que exerceu, desde quase menino, até a formatura em medicina. Continuou a manipular os remédios que receitava. Ficou famoso graças a duas fórmulas de sua lavra: o Xarope Broncholino e o Sabão Aristolino.

ARTE de J. Bosco no blogue do Milton Alves, de Curitiba

Charge do dia: (in)segurança pública

Foto
OS ESTADOS vizinhos de São Paulo e Santa Catarina continuam sob ataques  de facções  do crime organizado. Incêndios de viaturas policiais e ônibus, assassinatos e chacinas. Um novo fenômeno que exige nova abordagem das forças de segurança. Além da união de esforços de todas as esferas da federação.
(Milton Alves, Curitiba - PR, Brasil)

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

SALVE lindo Pendão da Esperança!

No topo do mastro 19 de novembro é o Dia da Bandeira. Aprenda mais sobre esse símbolo do nosso país

Ana Paula Corradini




A gente bem sabe como é: em olimpíadas, Copa do Mundo e outros eventos, é só ver a bandeira brasileira que dá um nó na garganta e ficamos todos orgulhosos. Mas você sabia que o símbolo maior do Brasil nem sempre teve essa cara? Nesse 19 de novembro, aproveite para comemorar o Dia da Bandeira, e saiba mais sobre ela aqui.

Toda história tem um começo


MARCELO Migliaccio: A velhinha e o peixe escuro

A CENA eu vi num restaurante. A família na mesa e o filho, de uns 50 anos, dizendo à mãe, uma velhinha frágil e de cabelos totalmente brancos que deveria ter mais de 90:

_ Não, mamãe, o médico disse que peixe escuro a senhora não pode comer.

Com o cardápio nas mãos trêmulas, a anciã nem levantou os olhos, não argumentou, nem muito menos contestou. Mostrou a resignação forçosa dos nonagenários e permaneceu calada.

Fiquei a me perguntar por que privar uma pessoa naquela idade de um dos prazeres que ela tem na vida. Vale a pena ela, já no fim da estrada, deixar de almoçar seu peixe favorito num domingo? Quanto tempo ela terá mais de vida por causa dessa recomendação médica. E que vida terá no tempo que lhe sobra? Uma não-vida cheia de "não pode"?

Alguém vai dizer ao Oscar Niemeyer que, aos 104 anos, ele deve abandonar sua inseparável cigarrilha?

Sim, sempre tem um chato que chega e diz:

_ O senhor não deveria fumar, mestre.

Outro dia, sem querer, abri uma gaveta em casa e vi lá, jogado, um relógio caro que comprei certa vez num arroubo consumista. Olhei pra ele, pensei em colocar no pulso, mas aí veio aquele pensamento mesquinho.

_ Não, é um relógio caro, podem roubar.

E percebi que comprei aquele relógio e não o tenho. Se não se usa alguma coisa, não se tem essa coisa. O relógio não é meu, é da gaveta. Meu medo faz com que eu não o possua de fato, apesar de tê-lo comprado.

sábado, 17 de novembro de 2012

SE Amanhã...


SE AMANHÃ sentires saudades,
lembra-te da fantasia e
sonha com tua próxima vitória.
Vitória que todas as armas do mundo
jamais conseguirão obter,
porque é uma vitória que surge da paz
e não do ressentimento.
Charles Chaplin


(Com Texto Livre)


sexta-feira, 16 de novembro de 2012

NA ILHARGA: Nota oficial do PT repudia condenações

Nota oficial do partido repudia patranha gurgélico/barbosiana


O PT, amparado no princípio da liberdade de expressão, critica e torna pública sua discordância da decisão do Supremo Tribunal Federal que, no julgamento da Ação Penal 470, condenou e imputou penas desproporcionais a alguns de seus filiados.

1. O STF não garantiu o amplo direito de defesa

O STF negou aos réus que não tinham direito ao foro especial a possibilidade de recorrer a instâncias inferiores da Justiça. Suprimiu-lhes, portanto, a plenitude do direito de defesa, que é um direito fundamental da cidadania internacionalmente consagrado.

A Constituição estabelece, no artigo 102, que apenas o presidente, o vice-presidente da República, os membros do Congresso Nacional, os próprios ministros do STF e o Procurador Geral da República podem ser processados e julgados exclusivamente pela Suprema Corte. E, também, nas infrações penais comuns e nos crimes de responsabilidade, os ministros de Estado, os comandantes das três Armas, os membros dos Tribunais superiores, do Tribunal de Contas da União e os chefes de missão diplomática em caráter permanente.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

SENTENÇA contra Dirceu representa agressão contra o PT, a esquerda e a Constituição

Por Breno Altman, especial para o 247 

  O MINISTRO Joaquim Barbosa, relator da Ação Penal 470, praticamente concluiu sua tarefa como relator, às vésperas de assumir a presidência do STF, com um burlesco golpe de mão. Aparentemente para permitir que Ayres Britto pudesse votar na dosimetria dos dirigentes petistas, subverteu a ordem do dia e antecipou decisão sobre José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares. Apenas a voz de Ricardo Lewandovski se fez ouvir, em protesto à enésima manobra de um julgamento marcado por arbitrariedades e atropelos.

Talvez em nenhum outro momento de nossa história, ao menos em períodos democráticos, o país se viu enredado em tamanha fraude jurídica. Do começo ao fim do processo, o que se viu foi uma sucessão de atos que violaram direitos constitucionais e a própria jurisprudência do tribunal. A maioria dos ministros, por opção ideológica ou mera covardia, rendeu-se à sentença prescrita pelo baronato midiático desde que veio à tona o chamado “mensalão”.


segunda-feira, 12 de novembro de 2012

MORREU Marcos Paulo

Marcos Paulo Simões (São Paulo, 1 de março de 1951 — Rio de Janeiro, 11 de novembro de 2012) foi um ator e diretor de televisão e cinema brasileiro. Era filho adotivo de Vicente Sesso, autor de telenovelas, com quem tomou o gosto pelo mundo da televisão. 

O ator foi diagnosticado com câncer de esôfago em maio de 2011. Morreu em sua casa no Rio de Janeiro no dia 11 de novembro de 2012, de embolia pulmonar. (Wikpédia)

Descanse em paz.

domingo, 11 de novembro de 2012

MÍDIA diz que Barbosa será candidato à presidência em 2014

A desmoralização

Edição/247: gaspari joaquim barbosa autografo
Barbosa presidenciável?

BEM-INFORMADO, colunista do Globo e da Folha diz que o futuro chefe do Supremo Tribunal Federal tentará chegar também à presidência da República daqui a dois anos; se for verdade, o julgamento-trampolim terá sido desmoralizado

 
247 - Ontem, o jornalista Claudio Humberto, um dos mais influentes colunistas políticos de Brasília, informou que o atual presidente do Supremo Tribunal Federal, Carlos Ayres Britto, recebeu convite de Eduardo Campos, presidente do PSB, para concorrer ao Senado em 2014, pelo Distrito Federal. 

Agora, Elio Gaspari, colunista da Folha e do Globo, revela que planos mais altos ainda podem estar sendo traçados para o futuro presidente do STF, Joaquim Barbosa, que toma posse no dia 22. Diz ele, na coluna que circula neste domingo nos dois jornais, que Barbosa (cujo lançamento foi antecipado no 247 como a encarnação do "caçador de petralhas) será, sim, candidato.
 
Leia a nota:
 
Joaquim 2014
Pode parecer óbvio: Joaquim Barbosa seria candidato a presidente da República em 2014.
A novidade está no fato de que pessoas habituadas a ler os astros começam a fazer planos levando em conta essa possibilidade. 

Nesse cenário, Barbosa não concluiria seu mandato de dois anos na presidência do Supremo. 

Ninguém ouviu uma só palavra do ministro, mas dois anos antes da eleição, Dilma Rousseff e Fernando Henrique Cardoso também não falavam no assunto. 

Se for verdade, tanto no caso de Britto como no de Barbosa, a credibilidade do julgamento da Ação Penal 470 ficará seriamente abalada. Afinal, num estado de direito, não se admite que um julgamento penal sirva de trampolim eleitoral a quem quer que seja. (Na Ilharga, Belém - PA, Brasil)

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

ESSA também caiu no ENEM 2012

Obituario

Lo enterraron en el corazón de um bosque de pinos
y sin embargo el ataúd de pino fue importado de Ohio;
lo enterraron al borde de una mina de hierro
y sin embargo los clavos de su ataúd y el hierro de la pala fueron importados de Pittsburg;
lo enterraron junto ao mejor pasto de ovejas del mundo
y sin embargo las lanas de los festones del ataúd eram de California.
Lo enterraron con um traje de New York,
un par de zapatos de Boston,
una camisa de Cincinatti
y uns calcetines de Chicago.
Guatemala no facilitó nada al funeral,
excepto el cadáver.

O texto de Luis Rogelio Nogueras faz uma crítica

a) à dependência de produtos estrangeiros por uma nação.
b) ao comércio desigual entre Guatemala e Estados Unidos.
c) à má qualidade das mercadorias guatemaltecas.
d) às dificuldades para a realização de um funeral.
e) à ausência de recursos naturais na Guatemala.
(Questão 91 do caderno rosa, opção Espanhol)

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

ESSA eu copiei do "Na Ilharga"




ADVOGADO de Marcos Valério confirma a jornalista que PGR usou de dois pesos e duas medidas


Leonardo: PGR aceitou tese de caixa 2 no mensalão mineiro


PREPAREI um post sobre a tal confissão de Marcos Valério à revista Veja e, antes de publicar, enviei-o ao seu advogado Marcelo Leonardo, para obter explicações dele. Elas chegaram hoje de manhã, por email (a íntegra no final do post).

Entre outras afirmações, destaco:

1. O vazamento (ao Estadão e à Veja) do depoimento de Marcos Valério à PGR foi feito de forma "seletiva, parcial e ilícita". Não adianta suas suspeitas sobre quem vazou.

2. Os documentos enviados por Valério em julho de 2005 foram essenciais para as investigações da AP 470. "Tudo isto possibilitou as investigações da Polícia Federal e viabilizou a denúncia do Procurador Geral da República que, apesar do exagero dos quarenta acusados, não foi além dos nomes e dados fornecidos naquela atitude de colaboração com a Justiça, o que assegura direito à redução de pena. Não há nada de novo sobre este assunto, até porque a instrução na AP 470 está encerrada faz tempo".

3. O chamado "mensalão mineiro" está em fase bem mais adiantada do que se imagina. E informa que o ex-Procurador Geral da República, Antonio Fernando, "ao oferecer denúncia no caso chamado de “mensalão mineiro” contra Eduardo Azeredo (hoje deputado federal), Clésio Andrade (hoje Senador) e outras quatorze pessoas, deixou de propor ação penal contra os deputados e ex-deputados que receberam os valores, porque entendeu, expressamente, que o fato seria apenas crime eleitoral (artigo 350 do Código Eleitoral – “caixa dois de campanha”), que já estava prescrito. Este entendimento não foi adotado no oferecimento da denúncia e no julgamento da AP 470".

Aqui, o post que enviei ao advogado e a sua resposta:


De LN

Na defesa que fez de Marcos Valério, no julgamento do “mensalão”, o advogado mineiro Marcelo Leonardo demonstrou enorme competência. Não abusou da retórica, tão a grado dos advogados e magistrados. Foi objetivo ao descrever as acusações e ao rebater o mérito. Escrevi na época que me pareceu o mais brilhante dos advogados que atuaram no processo.

Ser bem sucedido ou não na defesa não depende apenas do advogado, mas do próprio estado de espírito dos julgadores.

Agora, dá seu lance mais ousado, ao orientar um cliente desorientado a adotar uma linha de defesa de alto risco.

Diriam os operadores de direito que é papel do advogado recorrer a todos os instrumentos em defesa do seu cliente. Digo eu: é possível que Leonardo esteja colocando em risco até a vida do seu cliente para defender outros possíveis clientes mineiros.

A lógica é simples:

terça-feira, 6 de novembro de 2012

ESTA caiu no ENEM 2012

Antigamente era assim


C. D. Andrade

ANTIGAMENTE, os pirralhos dobravam a língua diante dos pais e se um se esquecia de arear os dentes antes de cair nos braços de Morfeu, era capaz de entrar no couro. Não devia também se esquecer de lavar os pés, sem tugir nem mugir. Nada de bater na cacunda do padrinho, nem de debicar os mais velhos, pois levava tunda. Ainda cedinho, aguava as plantas, ia ao corte e logo voltava aos penates. Não ficava mangando na rua, nem escapulia do mestre, mesmo que não entendesse patavina da instrução moral e cívica. O verdadeiro smart calçava botina de botões para comparecer todo liró ao copo d'água, se bem que no convescote apenas lambiscasse, para evitar flatos. Os bilontras é que eram um precipício, jogando com pau de dois bicos, pelo que carecia muita cautela e caldo de galinha. O melhor era pôr as barbas de molho diante de umtreteiro de topete, depois de fintar e engambelar os coióis, e antes que se pusesse tudo em pratos limpos, ele abria o arco.

Na leitura do fragmento do texto "Antigamente" constata-se, pelo emprego de palavras obsoletas, que itens lexicais outrora não mais o são no português brasileiro atual. Esse fenômeno revela que

a) a língua portuguesa de antigamente carecia de termos para se referir a fatos e coisas do cotidiano.
b) o português brasileiro se constitui evitando a ampliação do léxico proveniente do português europeu.
c) a heterogeneidade do português leva a uma estabilidade do seu léxico no eixo temporal.
d) o português brasileiro apoia-se no léxico inglês para ser reconhecido como língua independente.
e) o léxico do português representa uma realidade linguística variável e diversificada.

(questão 118 do caderno rosa)

domingo, 4 de novembro de 2012

MARCELO Migliaccio: Lula assassino?

Vamos ver se essa cola


A EDIÇÃO desta semana da revista que pensa que o leitor é cego está especialmente lamentável. Tem uma matéria sobre o despejo frustrado de índios de uma reserva em Mato Grosso. Claro que o texto é contra o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e os índios. O repórter posiciona-se a favor da especulação de terra e dos fazendeiros e chega ao cúmulo de sugerir que os índios deveriam se tornar mão de obra barata na sociedade industrial.

Na página seguinte, uma tentativa pífia de criticar Dilma pelo subsídio da Petrobrás ao preço dos combustíveis. Dizem que isso mata a autossuficiência desse gigante mundial altamente rentáve que o PSDB quis vender.

Para a matança de policiais em São Paulo, que vive uma guerra nas ruas, uma mísera meia pagininha, dizendo que tudo está sob controle e que a polícia não vai recuar. Só faltou colocar Geraldo Alkimin como co-autor do texto.

Mas o pior é a matéria de capa


Desesperada com a derrota de seu candidato José Serra em São Paulo, prova de seu crescente desprestígio como formadora de opinião, a revista para ceguetas agora "descobriu" que Lula mandou matar o prefeito de Santo André Celso Daniel.

A histeria dos derrotados não tem limite, desconhece o ridículo e joga pelo ralo todos os preceitos do bom jornalismo.

sábado, 3 de novembro de 2012

PAISSANDU quase na série B

O Paissandu garante a vaga mesmo perdendo por um gol de diferença

O PAISSANDU confirmou o favoritismo e derrotou o Macaé por 2 a 0, no primeiro jogo do mata mata, que vai decidir uma vaga para o Campeonato Brasileiro da Série B de 2013. A partida aconteceu na noite desta sexta-feira, na Arena Verde, em Paragominas, no norte do Pará.

Julgado por incidentes na partida contra o Icasa, na 9.ª da primeira fase, o Paysandu foi punido em dois jogos pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Com isso, escolheu Paragominas, cidade que esta a 300 km da capital Belém para mandar o confronto.
  Com a vitória, o Papão sai em vantagem nesta primeira partida das quartas de final do Campeonato Brasileiro da Série C. E agora, o time fluminense precisa fazer no mínimo três gols no Estádio Cláudio Moacyr de Azevedo, mais conhecido como Moacyrzão, em Macaé, no sábado que vem, às 16 horas, para garantir a vaga na Série B do ano que vem.

O duelo começou antes mesmo da bola rolar. Quando o ônibus que transportava a delegação do Macaé estava para entrar na Arena Verde, um torcedor do Paysandu atirou um pedra em direção a um dos vidros, que ficou trincado. Nenhum jogador ficou ferido.


O jogo

O Paysandu deu o pontapé inicial, mas quem deu o primeiro chute foi o Macaé, com Alex Gaibú, que finalizou para fora. Apoiados pela torcida, que compareceu em grande número, os donos da casa pressionaram o adversário, que encontrava muitas dificuldades para sair jogando. Aos 16, Edu Pina e Yago Pikachu entraram em discussão, e sobrou para a comissão técnica dos dois times separar os jogadores. O clima esquentou na decisão pelo acesso a segunda divisão do Brasileiro. O saldo foi de dois cartões amarelos para os “nervosinhos”. Após a confusão, um torcedor foi retirado do estádio por ter arremessado uma garrafa plástica para dentro do campo.