domingo, 26 de janeiro de 2014

HÁ 30 ANOS, Tevê Globo apresentou comício das "Diretas Já" como festa de aniversário de São Paulo


Após 20 anos de ditadura, 300 mil brasileiros foram à Praça da Sé pedir eleições diretas. Jornal Nacional disse que o ato era festa pelo aniversário de SP

Os 30 anos do comício que a Globo transformou em festa



 
HÁ exatos 30 anos, cerca de 300 mil pessoas foram à Praça da Sé, em São Paulo, para reivindicar eleições diretas para presidente. No palanque, políticos, artistas, sindicalistas e estudantes. Era o maior ato político ocorrido nos primeiros 20 anos da ditadura brasileira, com todo o seu saldo de mortes, torturas, desaparecimentos forçados, censuras e supressões dos direitos individuais. Mas o foco da reportagem que o telejornal de maior audiência do país, o Jornal Nacional, da TV Globo, levou ao ar naquela noite, era a comemoração pelos 430 anos de São Paulo. 
 
O histórico comício da Praça da Sé ocorreu em um momento em que o Brasil reunificava suas forças para tentar por fim ao regime de exceção, em um movimento crescente. Treze dias antes, um outro ato político realizado em Curitiba (PR), com a mesma finalidade, havia sido completamente ignorado pela emissora. Mesmo a chamada para o ato que os organizadores tentaram veicular na TV como publicidade paga não foi aceita pela direção. O Jornal Nacional nada falou sobre o comício que levou 50 mil pessoas às ruas da capital paranaense. Antes dele, outros, menores, já ocorriam em várias cidades brasileiras desde 1983. Nenhum mereceu cobertura.


Em 1982, a entrada em vigor da Emenda Constitucional nº 22 permitiu eleições diretas para governadores. Entretanto, previa que, em 1985, fosse realizada eleição indireta para o novo presidente, a ser escolhido por um colégio de líderes formado por senadores, deputados federais e delegados das assembleias legislativas estaduais. Os brasileiros, porém, queriam enterrar de vez os anos de arbítrio. Oposição e movimentos sociais se uniram para pedir Diretas Já.

Aliada inconteste da ditadura civil militar, a TV Globo demorou a acertar na análise da conjuntura. Acompanhando a leitura rasa dos militares que ocupavam o Palácio do Planalto, acreditou que os atos por eleições diretas não passariam de “arroubos patrióticos”, como depois definiria seu então diretor de Jornalismo, Armando Nogueira. Mas a estratégia de ignorar as diversas manifestações que pipocavam em várias cidades do país já estava arranhando sua credibilidade. Decidiu mudar.

Quando a multidão ocupou a Praça da Sé, a Globo optou por maquiar o ato e alterar suas finalidades. No telejornal mais visto do país, o apresentador Sérgio Chapelin fez a seguinte chamada: “A cidade comemorou seus 430 anos com mais de 500 solenidades. A maior foi um comício na Praça da Sé”. A matéria que entrava a seguir, do repórter Ernesto Paglia, evidenciava os 30 anos da Catedral da Sé e os shows artísticos pelo aniversário da cidade. Só no finalzinho, o repórter dizia que as pessoas pediam a volta das eleições diretas para presidente, como se aquilo tivesse sido um rompante espontâneo no evento convocado para outros fins.

Apesar da postura da maior rede de TV nacional, a campanha Diretas Já ganhava o país. No dia 24 de fevereiro, um novo grande comício foi realizado em Belo Horizonte (MG), e reuniu um contingente ainda maior de pessoas do que o de São Paulo. No mesmo Jornal Nacional, apenas rápidas imagens da multidão que saiu às ruas e dos muitos oradores que pediam o fim da ditadura, acompanhados de um texto que desvirtuam o sentido do ato.

A hostilidade com que os manifestantes tratavam a emissora só fazia aumentar. Foi nesta época que os protestos de rua passaram a bradar o slogan ouvido até hoje: “O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”. Foi nesta época também que os repórteres da Globo passaram a ser achincalhado nas ruas. Alguns sofreram agressões físicas.

Roberto Marinho, o fundador da emissora, era comprometido com a ditadura até o pescoço. Afinal, foram os militares que encobriram as irregularidades que marcaram a inauguração da TV Globo, investigada por uma CPI Parlamentar por conta de ter recebido injeção ilícita de capital estrangeiro, no escândalo conhecido como Caso Time-Life. E também foram os militares que ajudaram a emissora a se tornar a maior do país, em troca de apoio sistemático ao regime de exceção.

Mas Marinho não era burro. Viu que era impossível conter a nova força política que se tornava hegemônica no país e, de uma hora para outra, virou seu jogo. No dia 10 de abril, duas semanas do Congresso votar a proposta de eleições diretas já, ele autorizou que sua emissora cobrisse à campanha. O comício realizado aquela noite, no Rio de Janeiro, que reuniu mais de 1 milhão de pessoas na Candelária, enfim ganhou espaço devido no Jornal Nacional.

A emenda que previa as Diretas Já, apresentada pelo até então quase desconhecido Dante de Oliveira, não foi aprovada. Mas Marinho já estava aliado comas forças que venceriam a eleição indireta: Tancredo Neves, o presidente eleito que morreu antes de tomar posse, e José Sarney, que por uma contingência do destino, iria assumir o posto. Naquela época, a família Sarney já controlava a mídia no seu estado de origem, o Maranhão. Reza a crônica política que, de olho em uma parceria de sucesso com a Globo, o novo presidente da república submeteu até mesmo o nome de seu ministro da Fazenda, Mailson da Nóbrega, à aprovação de Roberto Marinho.

Erro histórico


O erro histórico da Globo de manipular a campanha Diretas Já até hoje assombra a emissora. Em setembro do mesmo ano de 1984, em matéria publicada pela revista Veja sobre os 15 anos do Jornal Nacional, Roberto Marinho já tentava minimizar o fato: “Achamos que os comícios poderiam representar um fator de inquietação nacional, e por isso, realizamos num primeiro momento apenas reportagens regionais. Mas a paixão popular foi tamanha que resolvemos tratar o assunto em rede nacional”, justificou.

Não foi suficiente. A história continuou rendendo acusações, livros e teses acadêmicas, além de correr mundo. No documentário “Muito Além do Cidadão Kane”, da emissora pública britânica Channel 4, de 1993, um trecho da matéria exibida pelo Jornal Nacional sobre o comício da Praça da Sé ajuda a comprovar a tese expressa no título pelo diretor, Simon Hartog. No filme Cidadão Kane, de 1941, considerado a melhor produção cinematográfica de todos os tempos, o genial Orson Wells narra a historia de um magnata das comunicações que, para assegurar lucro e poder, não tem escrúpulos em apoiar governantes diversos, indepentendes de partidos e ideologias.

Um trecho da polêmica “cobertura” da Globo pode ser conferida no documentário Muito além do Cidadão Kane, mais precisamente à 1h,18m02s.



Foram necessários muitos anos de democracia e, principalmente, de pressão popular, para que a emissora voltasse a enfrentar o assunto. Depois que as primeiras edições do Fórum Social Mundial, em Porto Alegre (RS), colocaram o debate sobre a manipulação da imprensa na agenda nacional, outros caciques da Globo tentaram apaziguar a história. Em depoimento gravado em 2000, o ex-diretor da emissora, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, admitiu a fraude, ainda que apresentando motivações enviesadas. “Enquanto as outras emissoras cobriam isso, nós ficamos limitados, pelo poder de audiência que a Globo tinha, a cobrir isso como se fosse um show de cantores”.


Um ano depois, foi a vez do ex-diretor de Jornalismo da Globo, Armando Nogueira, revisitar a polêmica, em outro vídeo: “As passeatas, as manifestações, aquilo acabou se transformando em uma avalanche. E a Rede Globo, com o instinto de sobrevivência que sempre teve seu patrono, Roberto Marinho, não poderia ficar insensível a isso, embora tivesse duramente pressionada pelo Palácio do Planalto a não prestigiar o que se supunha, lá no Palácio do Planalto, apenas uns arroubos patrióticos, quando na realidade era a manifestação irresistível da consciência nacional”.


Em 2003, o diretor executivo de jornalismo da emissora, Ali Kamel, reabriu a polêmica ao colocar no ar uma chamada em comemoração aos 34 anos do Jornal Nacional que evidenciava o pequeno trecho da matéria em que o repórter falava em “eleições diretas para presidente”. E no artigo “A Globo não fez campanha; fez bom jornalismo”, publicado na sequência no jornal O Globo, ainda teve a ousadia de afirmar que a chamada servia “para rechaçar de vez uma das mais graves acusações que o JN já sofreu: a de que não cobriu o comício das diretas, na Praça da Sé, em São Paulo”.

Os muitos autores que, até então, publicaram obras rechaçando a postura da emissora contra-atacaram, evidenciando a desproporção com que o tema foi tratado no telejornal. Ninguém nunca conseguiu saber, ao certo, se a vinheta de Kamel exibia a reportagem que, de fato, fora levada à época ao Jornal Nacional ou se era uma das tais “reportagens regionais” a que Roberto Marinho se referiu na entrevista à Veja de 1984. De certo, ficou apenas que o assunto não teve, no principal veículo de informação da emissora, o tratamento que merecia. E que o Brasil verdadeiramente democrático jamais engoliu a manipulação.
*****
A polêmica sobre o assunto, registrada no Observatório da Imprensa:

 A GLOBO não fez campanha; fez bom jornalismo

Ali Kamel

Para comemorar os 34 anos do Jornal Nacional, a TV Globo pôs no ar uma série de chamadas comemorativas muito simples: flashes dos principais momentos da História do Brasil e do mundo que o telejornal líder de audiência nas últimas três décadas exibiu. Foi uma pequena mostra dos serviços que o JN presta ao Brasil, o único órgão de imprensa presente, graças às afiliadas, em 115 municípios, nos 26 estados do país e no Distrito Federal, com equipes completas de jornalismo. Tudo feito por brasileiros, para brasileiros, em defesa do Brasil.

Mas não escrevo para elogiar o JN. Escrevo porque, em uma daquelas chamadas, uma pequena imagem do repórter Ernesto Paglia pode ter contribuído para rechaçar de vez uma das mais graves acusações que o JN já sofreu: a de que não cobriu o comício das diretas, na Praça da Sé, em São Paulo. Uma acusação que está, inclusive, em muitos livros. Leiam a seguir uma pequena mostra: Primeiro, Eugênio Bucci, em seu livro Ética e imprensa, editado pela Companhia das Letras em 2000, na página 29: No dia 25 de janeiro de 1984, o Jornal Nacional tapeou o telespectador. Mostrou cenas de uma manifestação pública na Praça da Sé, em São Paulo, e disse que aquilo acontecia em virtude da comemoração do aniversário da cidade. A manifestação era real: lá estavam dezenas de milhares de cidadãos em frente a um palanque onde lideranças políticas discursavam. Mas o motivo que o Jornal Nacional atribuiu a ela não passa de invenção. Aquele comício nada tinha a ver com fundação de cidade alguma. A multidão estava lá para exigir eleições diretas para Presidência da República. O Jornal Nacional enganou o cidadão naquela noite – e prosseguiu enganando durante semanas a fio, ao omitir as informações sobre a campanha por eleições diretas. Para quem só se inteirasse dos acontecimentos pelos noticiários da Globo, a campanha das diretas não existia.

Mario Sergio Conti, em seu livro Notícias do Planalto, também editado pela Companhia das Letras, em 1999, nas páginas 37 e 38, foi mais longe: “Em 25 de janeiro de 1984, o patrão (Roberto Marinho) estava irredutível. Para aquele dia, aniversário de fundação da cidade de São Paulo, fora marcado um ato público na Praça da Sé. Centenas de milhares de pessoas compareceram. No palanque se encontravam desde o presidente do PT, o Partido dos Trabalhadores, Luís Inácio Lula da Silva, até Tancredo Neves, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro, o PMDB, passando por cantoras, compositores, atores e atrizes de novelas da Globo. O próprio apresentador da manifestação, o locutor de futebol Osmar Santos, era um astro da Rádio Globo. Com a Bandeirantes e a Manchete dando flashes ao vivo e dedicando a maior parte de seus noticiários à manifestação na Sé, Boni imaginou uma maneira de mencioná-la, ao mesmo tempo que cumpria a ordem de não noticiá-la. Numa reunião na sala de Armando Nogueira, determinou que uma repórter falasse da Praça da Sé, em menos de vinte segundos, que ali estava sendo comemorado com um show o aniversário de São Paulo. Não deu certo: além de omitir, a Globo foi acusada de distorcer a verdade.”

Até mesmo no prestigiado Dicionário Histórico Biográfico, da Fundação Getúlio Vargas, na página 4.921, está dito: “Em 1984, o país viveu o ápice da campanha das diretas para a Presidência da República, desencadeada no final do ano anterior. Ignorando-a inicialmente, a Globo dava pouco espaço, nos noticiários, aos grandes comícios e passeatas que impulsionaram a campanha. O comício da Praça da Sé de São Paulo, em janeiro, recebeu uma cobertura de poucos flashes que apenas mostrava artistas, caracterizando o evento como uma comemoração do aniversário da cidade e desprezando a presença de dez governadores de estado.”

Luiz Felipe Miguel, em seu artigo Mídia e manipulação política no Brasil, publicado em Comunicação e política, volume VI, página 124, segue a mesma linha: “Outro episódio significativo se refere à grande mobilização popular exigindo o retorno das eleições diretas para a Presidência da República, em 1984 – e que a Globo procurou ignorar. No dia 25 de janeiro, um comício em São Paulo reuniu cerca de 300 mil pessoas em defesa das diretas, dando início a uma série de grandes manifestações populares. No Jornal Nacional, porém, o comício foi despido de seu caráter político e noticiado como se fosse um espetáculo comemorativo do aniversário da cidade de São Paulo.”

Deve haver muitos outros livros, a produção acadêmica no Brasil nessa área aumentou muito nos últimos anos. O que diminuiu foi a ênfase no método, na pesquisa. Bastava uma visita ao Centro de Documentação da TV Globo, onde todas as reportagens estão arquivadas, para que acusações tão graves simplesmente não existissem. A reportagem de Ernesto Paglia foi ao ar na noite do comício, realizado no dia 25 de janeiro, entre outros motivos, justamente por ser o aniversário de 430 anos da cidade, um feriado. O aniversário é o mote do locutor, e o repórter, de fato, inicia a reportagem por ele, mas, em seguida, fala do comício, diz que ele pede as diretas para presidente, descreve o que aconteceu e termina com o discurso do então governador de São Paulo, Franco Montoro. Leiam a transcrição:

Repórter: “São Paulo, 430 anos, nove milhões de brasileiros vindos de todo o país. A cidade de trabalho. São Paulo fez feriado hoje para comemorar o aniversário. Foi também o aniversário do seu templo mais importante, a Catedral da Sé. De manhã, na missa, o cardeal arcebispo dom Paulo Evaristo Arns lembrou o importante papel da Catedral da Sé nesses 30 anos em que ela vive no coração da cidade.

Dom Paulo: Nessa igreja se promoveu praticamente a libertação de um povo que quer manifestar-se como povo. Eu acho que isso é fundamental para uma igreja mãe que é tratada com tanto carinho.

Repórter: E junto com a cidade aniversariou também hoje a Universidade de São Paulo. A USP completou 50 anos de existência. A ministra da Educação, Ester Figueiredo Ferraz, foi à USP hoje. Ela falou da importância da Universidade com suas 33 faculdades e 45 mil alunos e assistiu a uma inesperada manifestação de estudantes e funcionários. Eles tomaram o anfiteatro com faixas e cartazes e pediram verbas para a educação, eleições diretas para reitor e para presidente da República. Mas à tarde, milhares de pessoas vieram ao Centro de São Paulo para, na Praça da Sé, se reunir num comício em que pediam eleições diretas para presidente. Não foi apenas uma manifestação política. Na abertura, música, um frevo do cantor Moraes Moreira. A Praça da Sé e todas as ruas vizinhas estão lotadas (panorâmica da multidão e das ruas ao lado, tomadas). No palanque mais de 400 pessoas, deputados, prefeitos (imagens do palanque) e muitos artistas, Christiane Torloni, Regina Duarte, Irene Ravache, Chico Buarque, Milton Gonçalves, Ester Góes, Bruna Lombardi, Alceu Valença, Fernanda Montenegro, Gilberto Gil. A chuva não afasta o povo. Os oradores se sucedem no palanque e ninguém arreda pé. O radialista Osmar Santos apresenta os oradores. O governador de S. Paulo, Franco Montoro, fez o discurso de encerramento (imagens e som de Montoro, ao lado de Ulysses Guimarães, Orestes Quércia, Brizola e Lula). Franco Montoro: Um dos passos na luta da democracia. Houve a anistia, houve a censura, o fim da tortura; mas é preciso conquistar o fundo do poder que é a Presidência da República.

A fita está à disposição. Não houve omissão. Está tudo na reportagem de Paglia. Já na USP, a menção, com imagens, do protesto dos estudantes pedindo diretas para presidente. E as imagens da praça lotada, o motivo do comício dito com todas as letras, a ênfase na disposição cívica do povo “que não arreda pé nem com a chuva”, os políticos mostrados no palanque e o discurso final, na voz de Montoro, forte, incisivo, em tom de convocação. Sim, na noite de 25 de janeiro de 1984, os brasileiros se informaram na Globo de que um comício pelas diretas se realizara em São Paulo.

Como sempre, estavam bem informados. Desde o momento em que Dante de Oliveira protocolou sua emenda na Câmara dos Deputados, em março de 1983, a Globo cobriu todos os passos da luta pelas diretas. Já em março daquele ano, o então repórter Antônio Britto, numa reportagem para o Jornal Nacional, entrevistando o então líder do PMDB Freitas Nobre, contou aos brasileiros qual seria a estratégia da oposição para aprovar a emenda. E nos meses seguintes, foram inúmeras as reportagens a respeito, não somente sobre a tramitação da emenda, como também sobre as manifestações populares (a Globo cobriu os comícios, desde a caminhada pelas diretas no dia 13 de janeiro de 1984).

A minha tese é que não há má-fé por parte de quem difunde a acusação de que a Globo não cobriu o comício de São Paulo. Eu sou fortemente inclinado a supor que a Globo é tão querida, e tão reconhecidamente competente, que muitos não a perdoaram por não ter feito uma campanha pelas diretas, no estilo das que faz em época de Copa do Mundo. Esquecem-se de que a ditadura ainda estava forte, tão forte que as diretas foram votadas sob a vigência das medidas de emergência, um dispositivo constitucional, decretado nas vésperas da votação, que proibiu manifestações populares em Brasília (lembram-se do general Newton Cardoso, em seu cavalo, dando chicotadas em carros presos num engarrafamento?) e proibiu a transmissão por emissoras de rádio e televisão da sessão do Congresso Nacional que acabaria rejeitando as diretas-já. Não, a Globo não fez uma campanha, mas não deixou de fazer bom jornalismo.”

Resposta de Mario Sergio Conti, autor de Notícias do Planalto:

TV GLOBO e as diretas

Mario Sergio Conti


“Carta a Ali Kamel”, copyright No Mínimo (www.nominimo.com.br), 4out.2003

Caro Ali,
Li com interesse e espanto o seu artigo n’O Globo do último dia 24. Interesse porque você transcreve o texto da reportagem do Jornal Nacional de 24 de janeiro de 1984, quando houve o primeiro grande comício pelas edições diretas para presidente. E espanto porque você conclui que naquela noite, e durante toda a campanha pelas diretas, “a Globo fez bom jornalismo” (transcrição abaixo).

Não foi de imediato que pensei em comentá-lo. Mas como comecei a imaginar indagações e contrargumentos, resolvi então compartilhá-los. Torno a carta pública porque acredito que o seu artigo suscita questões que podem interessar a vários de nossos colegas. E também porque podemos inaugurar um gênero inédito: a polêmica entre jornalistas que não desanda em gritaria, desqualificação, insultos ou baixaria.

***
Você acusa todos que criticaram a cobertura do Jornal Nacional daquele comício de não terem feito a pesquisa necessária: “Bastava uma visita ao Centro de Documentação da TV Globo, onde todas as reportagens estão arquivadas, para que acusações tão graves simplesmente não existissem”.

Perfeito. Mas eu fui, diversas vezes, ao Centro de Documentação da Globo quando fiz a pesquisa para Notícias do Planalto. E pedi a fita do JN de 24 de janeiro de 1984. As fitas daquele ano, explicaram-me, foram gravadas no sistema X, e estavam em processo de transcodificação para o sistema Y. Pedi para ver aquele telejornal específico lá mesmo, numa máquina qualquer, da maneira que fosse. Não dava, foi a resposta. Ao longo de quase dois anos de trabalho no livro, de vez em quando telefonava para o Centro de Documentação e perguntava se dava para ver o raio do JN do comício das diretas na Praça da Sé. Nunca deu.

Acredito no que os funcionários do Centro de Documentação me disseram. Cheguei a eles por intermédio de João Roberto Marinho, que gentilmente recomendou que me ajudassem. Eles foram sempre eficientes e rápidos, além de simpáticos. Arrumaram-me a fita do Globo Repórter de abril de 1987, sobre a caça aos marajás que o então governador Fernando Collor fazia em Alagoas. Deram-me também a fita com a edição que o Jornal Nacional fez do debate entre Lula e Collor na véspera do segundo turno das eleições de 1989. E explicaram que não tinham a fita com a edição do mesmo debate que foi levada ao ar horas antes porque o Hoje não era arquivado.

Agora, graças ao Centro de Documentação da TV Globo, e à sua curiosidade, a fita está a disposição. Não é mais preciso recorrer à memória, pessoal e de outrem, para saber o que o JN mostrou naquele dia. A memória, como você, eu e todo leitor de Freud e Proust sabe, é parcial e enganadora. Ela não é regida por mecanismos racionais. Com o passar do tempo, as recordações assumem um caráter fluido e vago como o dos sonhos. (Falar em memória, como trezentas pessoas te devem ter dito, há um lapsus linguae no artigo: foi Newton Cruz, e não Cardoso, o milico que chicoteou uma carreata em Brasília).

Eu gostaria de ver a fita. Não, Ali, não precisa se incomodar em mandá-la. O sistema de vídeo francês é diferente do brasileiro. Também não se dê ao trabalho de descobrir se é possível transcodificá-la. Não tenho aparelho de vídeo ou de DVD (nem assino canais a cabo). Esses troços são caros e meu dinheiro é contado. E o que tem de noticiário e documentário nos canais abertos já me é mais do que suficiente.

***

Gostaria de ver a fita não só por nostalgia (cobri o comício), e sim para fazer uma análise semelhante às que fiz do Globo Repórter dos marajás e da edição do Jornal Nacional do debate de Lula e Collor. Queria saber, de cara, se o Cid Moreira (foi ele mesmo o apresentador daquela noite?) leu uma manchete na abertura do jornal sobre os acontecimentos na Sé. As manchetes de um telejornal, como estamos carecas de saber, resumem os fatos mais importantes do dia. Elas funcionam como a primeira página de um jornal impresso: hierarquizam as notícias da edição, chamando a atenção para as mais importantes, que ocupam espaço maior na página.

O que aconteceu na Sé foi considerado relevante o suficiente para abrir o JN? Se não, quais outras notícias foram consideradas mais importantes? Se sim, com que palavras o fato foi descrito: comemoração do aniversário de São Paulo, show, comício pelas diretas?

Gostaria também de saber o que o locutor disse ao anunciar a reportagem de Ernesto Paglia. Ou seja, qual foi o título da notícia. No seu artigo, você escreve que o aniversário (de São Paulo) é o mote do locutor. Sim, mas ele disse “comemoração”, “festa”, “show”, “comício”?

Com a fita em mãos, eu faria então uma minutagem, uma contagem do tempo dedicado a cada notícia. Para saber, no aspecto material mais elementar – o tempo -, qual o peso editorial ocupado pela reportagem da Sé naquela edição do Jornal Nacional. Um por cento, 3%, 5% do total do JN?

(Parênteses: sei que a matéria tem menos de um minuto. Fiz a contagem quanto voltei do comício, ao assistir a fita do JN na redação da Veja. Não porque eu seja um maníaco por cronômetros. No dia seguinte, ia entrevistar o Osmar Santos para uma “amarela”. E queria perguntar-lhe o que achava da Globo ter dado pouco tempo ao comício. A entrevista foi publicada, e a pergunta está lá).

De Paris, posso ouvir os seus bocejos no Rio, Ali. Reconheço que esses raciocínios sobre manchete, título e tempo de notícias são chatos, por serem o beabá do nosso metiê. Mas eles são importantes para que eu possa fazer as seguintes afirmações categóricas. Ei-las:

O Jornal Nacional não deu manchete com o comício pela diretas, que levou mais de duzentas mil pessoas à praça da Sé. Logo, não o considerou um dos grandes fatos jornalísticos do dia. O título da matéria do Paglia também omitiu que se tratava de uma manifestação pelas diretas. O tema das diretas ocupa metade do tempo da reportagem. Nela, dois entrevistados falam, D. Paulo Evaristo Arns e Franco Montoro, e apenas o governador se refere às diretas. A reportagem cita o nome de dez artistas e apenas o de dois políticos: a então ministra da Educação, Ester Figueiredo Ferraz, e Montoro.

A isso você chama de “bom jornalismo”.

***
O bom jornalismo não ocorre no vácuo. Ele pode ser contraposto ao mau jornalismo, ao péssimo, ao regular, ao excelente. Como nem o JN nem a Globo estavam (ou estão) sozinhos no universo, façamos algumas comparações:

Na tarde do comício, as redes Bandeirantes e Manchete deram flashes ao vivo da preparação da manifestação (acompanhei as duas na redação, antes de sair para a cobertura). Com emissoras de rádio, a mesma coisa (ouvi rádio no táxi, da Veja até a Sé). Nos telejornais do horário nobre, a Manchete e a Bandeirantes dedicaram bem mais da metade do tempo ao comício (perguntei aos colegas, ao preparar a entrevista com o Osmar Santos) No dia seguinte, a Folha dedicou a primeira página inteira ao assunto. O Estadão, O Globo e o JB deram a manchete principal ao assunto. No fim de semana, Veja e Istoé vieram com fotos de capa, praticamente idênticas, com a multidão na praça (consulte os arquivos).

Todos os órgãos da grande imprensa cobriram o ato público na Sé de maneira extensa e intensa. Para os seus diretores e proprietários, ele foi a grande notícia do dia e da semana. Só o Jornal Nacional fez diferente. Ele reduziu drasticamente a relevância e o impacto da notícia. Ele colocou dentro da notícia informações que visavam deturpar o seu sentido, a sua verdade — a de manifestação popular contra a ditadura.

Já que você sustenta que a Globo fez “bom jornalismo”, como classificaria o trabalho das outras redes, dos jornais e das revistas naqueles dias? Eles se saíram melhor que o JN? Se sim, eles então fizeram “ótimo” ou “excelente” jornalismo. Dito de outra forma: em relação a eles, a Globo fez um jornalismo ruim. Ou péssimo.

Sua resposta pode ser outra: só a Globo fez bom jornalismo. Os demais órgãos da grande imprensa fizeram mau jornalismo porque exageraram a notícia. Fizeram “campanha”.

***
No último parágrafo do artigo você exemplifica o que entende por “campanha”:

“Eu sou fortemente inclinado a supor que a Globo é tão querida, e tão reconhecidamente competente, que muitos não a perdoaram por não ter feito uma campanha pelas diretas, no estilo das que faz em época de Copa do Mundo”.

Confesso que não entendi. Não acho que a Globo faça “campanha” em época de Copa do Mundo. Campanha para quê? Com que objetivo? Campanha para o Brasil ganhar? Na Copa, a Globo como um todo — e sobretudo seus pontas-de-lança, os locutores das partidas — , torce pelo time brasileiro. Todos os órgãos de imprensa fazem o mesmo. (Na França, idem: os locutores parecem estar transmitindo uma partida de xadrez, de tão fleumáticos que são, mas torcem adoidado pelos bleus. Eles torcem bufando: bufffff!)

Campanha jornalística é outra coisa. Como você, dou um exemplo: a Folha fez campanha pelas diretas. Bem antes do comício da Sé, o jornal fez editorial de primeira página a favor das diretas. A campanha popular passou a orientar o seu noticiário político, sua página de Opinião e seus colunistas. O jornal usava tarjas amarelas, a cor da campanha.

Quanto aos outros órgãos de imprensa, francamente não sei. Uns fizeram editoriais a favor das diretas. Outros não. Podiam estar em campanha ou não. Mas todos noticiaram a campanha amplamente. Inclusive O Globo. A única cobertura estruturalmente diferente foi a do Jornal Nacional.

E a diferença acabou dois meses depois, no comício pelas diretas na Candelária, no Rio. O JN fez uma cobertura oposta à do ato na Sé. Se você me permite um pouco de cabotinismo (e de preguiça também: não vou ficar procurando um jeito diferente de escrever o que já escrevi), cito o trecho de Notícias do Planalto sobre a Candelária:

“Com a cidade parada, a expectativa do comparecimento de um milhão de pessoas, e a previsão de se cantar o Hino nacional no horário do JN, uma parte da manifestação teria de ser exibida ao vivo. Boni defendia que o comício não destruísse a programação. O que importava, em termos jornalísticos, era mostrar a dimensão colossal do ato na Candelária, e não a pregação de tal ou qual demagogo. Mexer na programação, sobretudo no horário das novelas, era alienar uma parte considerável da audiência, argumentava. Armando Nogueira dizia que enquanto houvesse notícias a Globo deveria transmitir. Que se danassem as novelas. A preocupação de Roberto Irineu Marinho era evitar a transmissão do discurso de algum panfletário. Queria evitar ataques às Forças Armadas e incitações a saques e depredações. O poder de corte e edição, de decidir o que mostrar aos brasileiros, não ficou com os profissionais. Ficou com Roberto Irineu Marinho. Monitores foram acomodados na sua sala, e se fez uma ligação direta entre ela e a mesa de corte, na Central de Jornalismo. A convite de Roberto Irineu, a diretora italiana de cinema Lina Wertmuller acompanhou a movimentação. Pôde perceber que as discussões sobre televisão, política e jornalismo não eram acadêmicas: pouco depois das 8 da noite um helicóptero militar postou-se na altura da janela da sala de Roberto Irineu. Piloto e co-piloto encaravam o alto escalão da Globo, com o evidente propósito de intimidá-lo. Roberto Irineu abriu a janela e lhes deu uma banana. Passaram alguns momentos e os militares foram embora.”

Como você qualificaria o trabalho do JN no comício da Candelária? Os telespectadores da Globo foram mal informados, bem informados, excessivamente informados, informados por um jornalismo de “campanha”?

Se você quer minha opinião, ela é óbvia. A cobertura da Sé deixou os telespectadores desinformados. A da Candelária esteve à altura do comício.

***
Você reduz o contexto da época, no finzinho do artigo, a uma frase: “a ditadura ainda estava forte, tão forte que as diretas foram votadas sob a vigência das medidas de emergência, um dispositivo constitucional, decretado nas vésperas da votação, que proibiu manifestações populares em Brasília”.

A ditadura podia estar forte. Mas não a ponto de impedir que centenas de milhares de pessoas fossem à Sé. Ela também não evitou que órgãos de imprensa mais fracos que a Globo noticiassem o comício com destaque.

Havia, naqueles dias, uma crise política nacional. Essa crise reverberou dentro da Globo. Pela última vez, juro, dou uma de cabotino e me repito:

“Desde o final de 1983 as manifestações se sucediam. Quanto mais gente juntavam, maior o impacto da ausência delas no Jornal Nacional. O ministro Leitão de Abreu, da Casa Civil, convencera Roberto Marinho que a campanha era nociva ao governo do presidente João Baptista Figueiredo e, portanto, ao bem-estar nacional. O melhor era ignorá-las. Assim foi feito, com prejuízo para a credibilidade da rede. Seus repórteres e veículos foram hostilizados, enquanto os da Bandeirantes e da Manchete, que noticiavam a campanha, eram alvo de gestos de simpatia. Nos atos públicos e passeatas uma das palavras-de-ordem gritadas com mais entusiasmo era ‘o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo!’ A mesa de Roberto Marinho foi coberta por telexes, telegramas e cartas de protesto contra as distorções no noticiário. Algumas delas assinadas por anunciantes e donos de agências de propaganda. ‘Se a Globo continuar ignorando as diretas, corre o risco de perder verbas publicitárias’, avisou o diretor de Comercialização, Dionísio Poli, a Roberto Marinho – que relutava em deixar focalizar o povo nas ruas.”

***

Ao longo dos últimos dezenove anos, consolidou-se a percepção social que cobertura da campanha das diretas feita pela Globo foi um escândalo. Repito: é ótimo que você tenha publicado o texto da reportagem. Mesmo sem citar as manchetes do dia e o título da notícia. Porque agora dá para saber melhor a partir de qual base factual se produziu o balanço (em livros, artigos e na memória das pessoas) daquela cobertura.

Nessas quase duas décadas, acho que li boa parte do que foi publicado a respeito. Conversei com dezenas de colegas da Globo. Entrevistei muitos deles e lhes fiz perguntas específicas sobre a campanha das diretas. Pois nenhum, jamais, defendeu a tese do ‘bom jornalismo”. Alguns falaram em ‘erro’, outros se referiram a ‘pressões’, muitos disseram que ‘foi feito o possível’. Nenhum deles se vangloriou do que foi levado ao ar. A começar por Roberto Marinho.

Para todos, contudo, as lições foram assimiladas. E colocadas em prática. Tanto que, no movimento para a tirada de Collor do poder, não houve reportagem que lembrasse a do comício na Sé – apesar de Roberto Marinho ser contra a saída do presidente. Todos, dentro e fora da Globo, aprenderam. É esse aprendizado coletivo que você quer reverter.

O sentido dessa carta, meu caro Ali, não é o de esmiuçar o passado. É o de apontar para o futuro. Outras crises virão. Políticas e jornalísticas. Você ocupa uma posição de responsabilidade na imprensa brasileira. O que você escreve deve ser ponderado e levado em conta. É por isso que, fraternalmente, discordo do seu exemplo — do seu conceito — de ‘bom jornalismo’. Ele transforma em paradigma o que foi uma aberração.
Com o abraço de sempre,
Mario 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO por comentar e volte sempre ao BLOGUE do Valentim!