quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

O BLOGUE do Valentim deseja a todos os seus amigos um feliz ano de 2016!


Obrigado, Senhor, por tudo que nos concedeste neste ano de 2015!

domingo, 27 de dezembro de 2015

CORONEL Nunes e seu mundo de fantasia


Constrangedora.

Essa é a palavra que melhor define a reunião para mostrar o "balanço de 2015" da Federação Paraense de Futebol.

Aliás, nenhuma novidade para quem vem acompanhando as recentes entrevistas do futuro vice presidente da CBF, que vem batendo recordes em vergonha alheia a cada declaração.

Para quem compareceu ao evento esperando ver o que seria a primeira prestação de contas públicas dos 18 anos de gestão de Nunes, teve que se contentar com o Coronel lendo slides falando o que todo mundo sabia: que o campeão paraense foi o Remo, com Independente sendo vice, que o Paysandu terminou a Série B na sétima colocação... E entre uma "informação" e outra, o dirigente soltava pérolas do tipo "Demos sorte do Pará ainda ficar com três vagas na Copa Verde de 2016", se mostrando satisfeito com toda a manobra que foi feita e que tirou da competição Independente e Parauapebas.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

MEMÓRIAS Azulinas

Leão Azul inaugura o estádio Leônidas Castro, do Paysandú


Por Rocildo Oliveira, via Facebook

OS LISTRADOS estavam empolgados. Após algumas dezenas de anos, eles perceberam que o estádio deles deveria ser oficialmente batizado.

Burburinho daqui , burburinho dali, os nomes iam surgindo e os debates se intensificando. O Presidente bicolor Paulo Castro defendia o nome do remista Jarbas Passarinho, pois julgava Paulo que ninguém teria ajudado financeiramente mais o listrado do que o Ministro remista. Mas uma outra corrente dentro do clube não se sentia à vontade para batizar a conhecida Curuzu, homenageando um ilustre azulino. Após uma reunião, os diretores listrados bateram o martelo e o nome escolhido foi "Leônidas Castro".

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

FELIZ Natal

Porque Jesus foi criancinha também...



Minha filhota Alice Maria

Minha netinha Chloé

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

CHICO Buarque

Deixa a Morena


INICIAMOS a uma série de postagens em honra ao que considero o maior músico brasileiro vivo. Aliás, não só músico - autor musical e cantor - como também escritor, dramaturgo... 

Trata-se de Francisco Buarque de Hollanda ou simplesmente Chico Buarque.


domingo, 13 de dezembro de 2015

O PRIMEIRO Remo e Paysandú ninguém esquece

Por Rocildo Oliveira, via Facebook


O PRIMEIRO beijo, o primeiro amor e o primeiro RE-Pa ninguém nunca esquece. Eu já havia assistido um clássico, mas sem a presença maciça da torcida paraense. Era uma sexta feira 28 de abril de 1972, um jogo que valeu pelo torneio Pará-Goias-Maranhão. Na preliminar no estádio da curuzu, Goias e Moto e na principal o clássico Rei. O Mais Querido venceu por 2 a 0, um jogo sem grandes emoções que valeu mais pela atitude de Alcino, que, após um carnaval na intermediária listrada, resolveu sem mais nem menos, sem ninguém esperar, sentar na bola; ele poderia ter marcado o gol, mas resolveu tomar essa atitude que levou os torcedores remistas presentes a darem pulos de alegria e se esbaldarem em gargalhadas, enquanto os listrados indignados cuspiam fogo e xingavam o Gigante (Alcino), que, expulso de campo após um empurra empurra entre os jogadores, deixava o gramado de jogo escoltado por alguns policiais.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

ALCINO Neves dos Santos, o Gigante Alcino

De trombadinha a artilheiro: a incrível história de Alcino, maior ídolo do Remo


Muitas vezes o futebol é a redenção dos desafortunados. Seja para o torcedor que vê em seu time a única alegria, seja para o moleque de origem humilde que supera a miséria com dribles para virar um ídolo internacional. O futebol foi também a salvação de Alcino, um atacante da década de 70, considerado o maior jogador da história do Remo e atacante do Século XX no Pará.

CARIOCA da gema, Alcino era mais um negro pobre destinado a apenas sobreviver. O moleque, contudo, tinha um talento nos pés e viu no futebol a possibilidade de se destacar. O caminho não foi fácil e antes mesmo de ganhar alguma notoriedade nos campos, Alcino teve que se virar e apelou até para a criminalidade. O garoto se envolveu num roubo portando uma arma de brinquedo. Para escapar do xilindró, Alcino se mandou do Rio para Belém e na capital do Pará virou um mito.

Com pouca instrução, mas com muita formação nas ruas, Alcino se destacou com a camisa do Remo rapidamente. Era um provocador, arrumava confusões, chegando a até sair na porrada com um de seus treinadores, Paulo Amaral. Mas ninguém sobrevive no futebol apenas de polêmica. Alcino fazia muitos gols e garantiu muitas glórias à nação azulina. Foi três vezes consecutivas artilheiro do Campeonato Paraense (73, 74 e 75), quando o Remo foi tricampeão estadual. Ainda participou dos marcantes títulos do Norte e Norte-Nordeste de 71.

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

MEMÓRIAS Azulinas

Remo, primeiro campeão Norte-Nordeste


Por Rocildo Oliveira, via Facebook


8 DE DEZEMBRO de 1971, 44 anos de saudades. Saudades de um Baenão ainda bem menor com suas arquibancadas na altura do tobogã, mas com uma torcida sempre presente e festiva. Estádio lotado um sol escaldante a queimar a pele de todos os presentes.  Era um 0 a 0 no primeiro jogo em Aracaju, dava a todos os azulinos a certeza de que tudo agora seria diferente, e o bicampeão nortista desta feita contra a Itabaiana tinha todas as chances de conquistar pela primeira vez o Norte e Nordeste de Clubes. 

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

BASQUETE: Clube do Remo vence Paysandú por 73 a 56




O CLUBE do Remo é o campeão do primeiro turno do Campeonato Paraense Adulto Masculino de Basquete 2015. O Leão derrotou o Paysandú na noite da última quarta-feira (02dez.) por 73 a 56, em duelo realizado no Ginásio do Sesi, em Belém. Com a vitória, o time comandado pelo técnico Abdala Salomão chegou aos 6 pontos, com 3 resultados positivos, seguido pelo rival bicolor, vice-líder, que soma 5 pontos (2 vitórias e 1 derrota). 




terça-feira, 1 de dezembro de 2015

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

GRATIDÃO

AINDA que nossa boca estivesse cheia de canto, como o mar;
e nossa língua, de júbilo, como o bramido de suas ondas;
e nossos lábios, de louvor, como a amplidão do firmamento;
e nossos olhos resplandecessem, como o sol e a lua;
e nossos braços se estendessem, como as águias no espaço;
e nossos pés fossem ligeiros, como os dos cervos...

... não conseguiríamos agradecer-te, Adonai, 
Deus nosso e Deus de nossos pais,
nem bendizer teu Nome sequer em medida infinitesimal
pelos benefícios que fizeste a nossos pais e também a nós.
Amém.

(do manual de oração Encontro, frei Ignácio Larrañaga)

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

MEMÓRIAS azulinas

Gigante Alcino humilha bicolores



EM 28 DE ABRIL DE 1972. O jogo transcorria normalmente; o Leão Azul vencia por 1 a 0, gol de Roberto, o Diabo Louro, finalizando com precisão uma jogada do eterno gigante Alcino. Era a rodada final do torneio Pará, Goias, Maranhão.

Na preliminar o Goiás já havia vencido o Moto Clube e torcia por um resultado positivo do Clube do Remo frente ao rival listrado. A vitória já se desenhava, o Remo já vencia e com tranquilidade e tocava a bola no gramado, bola de pé em pé, e o balão se oferece na entrada da grande área para Alcino. Ele se livre de alguns adversários, entra na grande área, ameaça finalizar e... inesperadamente, para a surpresa de todos os presentes, ele, o gigante, não finaliza: definitivamente humilha o eterno freguês listrado ao sentar na bola dentro da tal Curuzu. Ele, que já havia mostrado os órgãos genitais para a torcida listrada, dessa vez se eterniza de vez, é expulso, abandona o campo de jogo ovacionado pela torcida azul presente. É retirado de campo sob vaias e apupos da infiel bicolor.

Mesmo com dez elementos o Remo ainda marca o segundo através de Cabecinha e com isso proporciona ao Goiás a conquista do Pará, Goiás, Maranhão.

Alcino, o mito da camisa 9. 

No momento faço um levantamento de todos os gols marcados por Alcino, de novembro de 1970 até Novembro de 1975. E sinceramente espero que o Motora tenha marcado bem mais do que os 163 gols registrados marcados por Dadinho, que, segundo informações oficiais ou extra oficiais, é o maior artilheiro da história do Mais Querido.  (Rocildo Oliveira, via Facebook)




quarta-feira, 25 de novembro de 2015

QUESTÃO do ENEM 2016

TUDO era harmonioso, sólido, verdadeiro. No princípio. As mulheres, principalmente as mortas do álbum, eram maravilhosas. Os homens, mais maravilhosos ainda, ah, difícil encontrar família mais perfeita. A nossa família, dizia a bela voz de contralto de minha avó.  Na nossa família, frisava, lançando em redor olhares complacentes, lamentando os que não faziam parte do nosso clã. (...)

Quando Margarida resolveu contar os podres todos que sabia naquela noite negra da rebelião, fiquei furiosa. (...)

É mentira, é mentira!, gritei tapando os ouvidos. Mas Margarida seguia em frente: tio Maximiliano se casou com a inglesa de cachos só por causa do dinheiro, não passava de um pilantra, a loirinha feiosa era riquíssima. Tia Consuelo? Ora, tia Consuelo chorava porque sentia falta de homem, ela queria homem e não Deus, ou o convento ou o sanatório. O dote era tão bom que o convento abriu-lhe as portas com loucura e tudo. "E tem mais coisas ainda, minha queridinha", anunciou Margarida fazendo um agrado no meu queixo. Reagi com violência: uma agregada, uma cria e, ainda por cima, mestiça. Como ousava desmoralizar meus heróis? 

TELLES, L. F. A estrutura da bolha de sabão. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

Representante da ficção contemporânea, a prosa de Lygia Fagundes Telles configura e desconstrói modelos sociais. No trecho, a percepção do núcleo familiar descortina um(a)

a) convivência frágil ligando pessoas financeiramente dependentes.
b) tensa hierarquia familiar equilibrada graças à presença da matriarca.
c) pacto de atitudes e valores mantidos à custa de ocultações e hipocrisias.
d) tradicional conflito de gerações protagonizado pela narradora e seus tios.
e) velada discriminação racial refletida na procura de casamentos com europeus. 

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

ESPORTE Interativo manterá Clube do Remo como protagonista em 2016



ÚNICO clube da Série D que teve todos os jogos mostrados ao vivo pelo Esporte Interativo, o Remo já tem a garantia do privilégio também para a Série C, tal o sucesso de audiência, conforme o plano estabelecido pela emissora. Além do Leão Azul, o Fortaleza (CE) também terá todos os jogos ao vivo. Outro será o Ceará (CE), se for rebaixado da Série B.

A visibilidade assegurada na Copa Verde (de 2 a 8 jogos) e Série C (18 a 24 jogos), abre ótimas perspectivas para o Leão Azul no mercado como protagonista do Esporte Interativo. Além disso, visibilidade também na TV Brasil (Série C), no SporTV (Copa do Brasil) e na TV Cultura (Parazão).

terça-feira, 17 de novembro de 2015

ENTRE gigantes, Remo se destaca com novos sócios






O PROGRAMA de sócio-torcedor é uma importante fonte de receita das agremiações atualmente. Em cenário de crise econômica no país, atrair e fidelizar os associados garantem a saúde financeira do clube e pode superar os valores praticados pelo patrocínio-master, por exemplo. E no 'campo dos associados', duas agremiações chamam atenção e aparecem em ranking importante. 

sábado, 7 de novembro de 2015

BOAS administrações também são sinônimo de amor ao clube. Por falar nisso...

UM GRUPO de sócios do Remo encaminhou na tarde desta sexta-feira um documento cobrando da diretoria mais transparência em relação ao caso do assalto à sede social da avenida Nazaré, no último domingo, que resultou no furto da quantia de R$ 423.632,00 mil do cofre do clube. Os sócios fazem vários questionamentos sobre o nebuloso episódio, exigindo que as respostas sejam dadas em até 48 horas:

Quem é o responsável pela guarda de valores na sede?
Qual o motivo da guarda de quantia tão volumosa na sede?
Por qual razão não foi depositado tal valor num banco ou cofre de empresa de segurança?
Quem sabia que este valor estava na sede dentro de um cofre?
Quem está à frente da Diretoria de Segurança do Remo?
A Diretoria de Segurança sabia da intenção de guardar o dinheiro na sede?
Que medidas serão tomadas para a reposição do dinheiro?
Como o cofre foi aberto?
(Gerson Nogueira, Belém)

terça-feira, 3 de novembro de 2015

QUE venha 2016 e suas emoções!

O REMO não ganhou simplesmente porque o Botafogo foi melhor lá, quando tinha de fazer o placar e vir a Belém com a vantagem. Fez.


Em Belém também, no jogo que se propôs, foi melhor que o Remo. Nessas horas falta aquele jogador corajoso, tipo Dadá, naquele jogo histórico contra a mucura na CV ou mesmo um Alberto, que arrisque mais fora da área e desarme qualquer esquema defensivo. No primeiro jogo o Remo sentiu a falta de alguns jogadores importantes (Eduardo Ramos, etc...). Simples. 

Apesar de não ter seguido adiante, valeu, Clube do Remo, cujo calendário de 2015 muitos secadores diziam que acabaria em 07 de maio. Foi bem mais além, e ainda deixou a Mucura sem Copa Verde e Copa do Brasil.

Que venha 2016 e suas emoções!

sábado, 31 de outubro de 2015

MINHA opinião sobre Remo vs. Botafogo - SP, a ocorrer em 1 nov. próximo

VOU AQUI dar minha humilde opinião sobre o embate de domingo.

Muita gente entendida no assunto tem falado que o Botafogo F. C. é um time muito bom porque eliminou o todo-poderoso São Caetano. Por isso é favorito a garantir a classificação diante do Remo.

Não vi o primeiro jogo entre Botafogo e São Caetano, em que o time de Ribeirão ganhou de 2 a 1. Mas vi o segundo jogo, 0 a 0.

Ora, pelo segundo jogo, não vi esse poderio todo do ex-famoso "Azulão". Passou-me a impressão que durante boa parte do jogo, o São Caetano jogou como se a qualquer momento fosse fazer o 1 a 0, placar que lhe interessava e eliminaria o Botafogo. Como não saia o gol salvador, somente nos últimos 20 minutos o time foi para cima do tricolor de Ribeirão, porém de forma muito desordenada, já no desespero. O time do Botafogo somente se defendia e, igual ao Remo no último jogo, ia ao ataque de forma esporádica. Acabou conquistando o resultado que lhe interessava, não tanto só por seus méritos, mas sobretudo pela inoperância do adversário.

Então, imprensa paraense, vamos deixar de onda e dizer o Botafogo é muito bom porque eliminou o São Caetano.

Além do mais, os times eram do mesmo estado, onde o fator clima não pesou tanto, E ainda, o São Caetano não tem torcida.

É a minha opinião antes de a bola rolar.

Vamos lá, Leão!!! 

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

SOBRE a dívida trabalhista do Clube do Remo

TRATA-SE, na minha humilde opinião, de um câncer que abala administrativamente o Clube do Remo. Refiro-me certamente à milionária dívida que o Clube possui junto à Justiça Trabalhista, em razão de pendências financeiras e contratuais junto a ex-funcionários, atletas e outros profissionais.

No Remo entra diretoria e sai diretoria e o assunto vem sendo, irresponsavelmente, empurrado com a barriga, como se diz popularmente. 

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

PELÉ eterno!











Parabéns, sr. Edison Arantes do Nascimento, eterno rei do futebol, por teus 75 anos de idade, e por seres brasileiro!


CORINTHIANS vs. Flamengo

Domingo tem Corinthians x Flamengo


TALVEZ não haja no mundo um jogo de futebol que reúna tantos torcedores no país em que é disputado como Corinthians e Flamengo.
Só na China, mas lá ainda não há times tão populares como os mais que centenários rubro-negro carioca e alvinegro paulista.


Pois o Corinthians, com seus agora quatro jogadores convocados para a Seleção Brasileira, recebe o Flamengo em Itaquera neste domingo, às cinco em ponto da tarde.
E o time carioca vem sem Emerson Sheik, ídolo corintiano desde que fez os dois gols contra o Boca Juniors na final da Libertadores de 2012. O Sheik está suspenso.
Mas Guerrero, o artilheiro peruano que fez os dois gols que valeram o bicampeonato mundial de clubes ao Timão, no Japão, virá, ele que, injustamente, passou de herói a vilão.
Tomara que seja bem recebido, como merece.
O Corinthians é o favorito, mas tudo de que o Flamengo precisa para ressurgir no Brasileirão é de uma vitória sobre o líder. (Juca Kfouri)

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

NÃO ao racismo


DESDE ontem, quem entrou no banheiro masculino do Prédio 3 da Universidade Mackenzie, encontrou rabiscado atrás da porta: “Lugar de negro não é no Mackenzie, é no presídio.”

Em que ano estamos?

Segundo uma nota emitida após o episódio pela universidade, estamos em outubro de 2015, mês em que a instituição completa 145 anos de existência, de uma “história de ampliação de liberdades e construção de oportunidades” e de “compromisso com a defesa dos direitos e garantias individuais e coletivos”.

Mas será que seus alunos representam bem esse compromisso? O problema está na pouca dedicação em transmitir esses valores ou na falta de interesse dos estudantes em absorvê-los?

domingo, 4 de outubro de 2015

FLÁVIO Migliaccio

Canivete suíço


SEMPRE ouvimos falar da Suíça como um lugar frio, onde se fazia um bom chocolate e se podia guardar muito dinheiro em contas numeradas. Para mim, era o paraíso dos corruptos, que tinham ali um porto seguro para depositar a grana conseguida em negociatas inconfessáveis. A Suíça, portanto, era como a caverna da história de Ali Babá e os 40 ladrões, que guardavam ali os tesouros amealhados em sua pilhagens.

Só que a história mudou. Depois de ser criticado por décadas e décadas, o governo suíço reviu os dogmas se seu sigilo bancário. E não foi apenas isso. O país que legitimava, junto com outros paraísos fiscais do planeta, a triste máxima de que no Brasil o crime compensa, passou de vilão a herói quando seu ministério público começou a investigar o escândalo das propinas pagas pela companhia francesa Alstom a membros do governo de São Paulo durante a expansão do metrô paulistano. Claro que a imprensa daqui, tucana até a medula, só noticiou, timidamente, porque a roubalheira foi descoberta na Suíça. Mesmo assim, esqueceu o caso rapidinho. Os suíços não.

Também da Suíça veio uma lista de brasileiros com contas no HSBC de lá, muitas delas, ou a maioria, não declarada ao nosso fisco. Outro escândalo, aliás, negligenciado pelos nossos jornais, sempre tão severos quando se trata de atingir o PT e seus aliados.

E agora surgem as contas secretas do presidente da Câmara Federal, deputado Eduardo Cunha, e de seus parentes. Pelo menos US$ 5 milhões, coincidentemente a mesma quantia que Cunha teria recebido, segundo quatro delações premiadas da Operação Lava-Jato, para facilitar contratos assinados pela Petrobrás.

Ou seja, a Suíça, em pouco tempo, transformou-se num agente da moralização no Brasil. Só falta nossas autoridades punirem os criminosos. (Rio Acima)  

terça-feira, 29 de setembro de 2015

GAUCHESCAS do Valentim

Os Serranos: Mercedita



QUE dulce encanto tienen
Tus recuerdos, Mercedita
Aromada, florecida
Amor mio de una vez

La conocí en el campo
Allá muy lejos una tarde
Donde crecen los trigales
Provincia de Santa Fe

Y así nació nuestro querer
Con ilusión, con mucha fe
Pero no se porque la flor
Se marchitó y muriendo fue

Y amándola con loco amor
Así llegue a comprender
Lo que es querer, lo que es sufrir
Porque le di mi corazón

Como una queja errante
En la campina va flotando
El eco vago de mi canto
Recordando aquel amor

Pero a pesar del tiempo
Transcurrido es Mercedita
La leyenda que hoy palpita
En mi nostálgica canción

Y así nació nuestro querer
Con ilusión, con mucha fe
Pero no se porque la flor
Se marchitó y muriendo fue

Y amándola con loco amor
Así llegue a comprender
Lo que es querer, lo que es sufrir
Porque le di mi corazón 

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

O RACISMO na tevê

Carrossel' e o racismo do horário nobre


Por Michel Yakini, no jornal Brasil de Fato:

QUEM tem um curumim em casa, na faixa dos três aos oito anos, sabe bem qual é a intensidade que nossos miúdos sofrem por conta da telenovela Carrossel do SBT, que atinge picos de audiência e boas doses de racismo.

Carrossel é a versão brasileira de uma novela mexicana exibida no Brasil nos anos 90, e apresenta o cotidiano da Escola Mundial, em que contracenam 16 crianças e alguns adultos. E mesmo sendo fraca de roteiro, trama, atores, de servir como propaganda dos produtos da emissora, confirmar preconceitos e pouco contribuir pra reflexão, a produção brilha aos olhos pequeninos.

É um bombardeio, seja de manhãzinha, com o apresentador-mirim da telenovela, a tarde no programa com o elenco da telenovela, a noite com a telenovela, no cinema da telenovela, no outdoor e na lanchonete com a promoção do filme. Ufa!

Quando Carrossel, na versão brasileira, foi exibida pela primeira vez, minha filha tinha três anos, e foi possível evitar o contato, mas o SBT insiste em formar gerações e me pegou no pulo três anos depois.

Continuo na insistência de apresentar outros repertórios, questionar e não deixar o deslumbre prevalecer, mas no tempo da pequena, na troca, senão, vira o mesmo bombardeio, e aí que mora a sensatez e o perigo.

E dá-lhe estereótipo, preconceito e racismo em HD!

Na Escola Mundial, transitam dezenas de pessoas e somente três são negras: a faxineira Graça (Márcia de Oliveira), que representa uma nordestina caricata, subalterna e atrapalhada; a pequena Laura (Aysha Benelli), ridicularizada por ser gordinha e comilona, que interpreta o estereótipo da negra/boazinha/iludida; e o famoso Cirilo (Jean Paulo Campos), apelido pejorativo de muitos meninos negros, que faz o tipo do negro/inocente/ingênuo.

terça-feira, 22 de setembro de 2015

MEMÓRIAS azulinas

Remo e Flamengo em 1972




HÁ 43 anos numa quente e emocionante tarde de domingo, a mais apaixonada e apaixonante torcida do futebol nortista vibrava de alegria. Era o dia 17 de setembro de 1972 e o mais querido do Norte realizava a sua terceira apresentação pelo campeonato brasileiro unificado da primeira divisão contra o Clube de Regatas Flamengo.


segunda-feira, 14 de setembro de 2015

PAPA Francisco simplifica nulidade matrimonial


O PAPA Francisco alterou nesta terça-feira o procedimento da Igreja Católica para anular os casamentos, que passa a ser mais simples, rápido e gratuito, uma reforma pensada para os mais pobres, mas vista com receio pelos conservadores.


A um mês do delicado sínodo dos bispos sobre a família, esta reforma pode ser mal recebida por alguns prelados conservadores, que temem a introdução de um divórcio católico dissimulado, apesar da mudança tratar apenas do procedimento e não dos motivos.

A reforma, anunciada em dois "motu proprio" (carta papal) - uma para a Igreja romana e outra para as Igrejas orientais vinculadas a Roma -, reflete a vontade do argentino Jorge Mario Bergoglio de desburocratizar a justiça vaticana e de conceder um papel central aos bispos.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

CLÁSSICOS do Valentim

Trio Los Panchos: Quizás, Quizás, Quizás



SIEMPRE que te pregunto que
cuándo, cómo y dónde
Tú siempre me respondes
Quizás, quizás, quizás

Y así pasan los días
Y yo, yo desesperado
Y tú, tú contestando
Quizás, quizás, quizás

Estás perdiendo el tiempo
Pensando, pensando
Por lo que más tú quieras
¿Hasta cuándo? ¿Hasta cuándo?


Y así pasan los días
Y yo, yo desesperado
Y tú, tú contestando
Quizás, quizás, quizás


Y así pasan los días
Y yo, yo desesperado
Y tú, tú contestando
Quizás, quizás, quizás


Estás perdiendo el tiempo
Pensando, pensando
Por lo que más tú quieras
¿Hasta cuándo? ¿Hasta cuándo?


Y así pasan los días
Y yo, yo desesperado
Y tú, tú contestando
Quizás, quizás, quizás

terça-feira, 8 de setembro de 2015

CLÁSSICOS do Valentim

Pedrito Otiniano: El Pintor




Si fuera pintor,
Con mi pincel de amores
Pintaria hermosuras
De las fibras de mi corazón;

Si fuera pintor,
El paisaje de tus labios,
Con mis besos coloridos
Brillaría con más esplendor;

domingo, 6 de setembro de 2015

MEMÓRIAS azulinas

Dico

APÓS uma excursão do Rabelo, (time) de Brasília, em fins da década de sessenta por terras belenenses, um atleta candango de baixa estatura chama a atenção de todos os torcedores e membros da crônica esportiva paraense. Era Frederico Shimidt Neto (Dico), que anos mais tarde foi contratado pelo recém-fundado Sport Clube Belém. Dico ajuda o Rubro-negro da Maracangalha a realizar uma grande campanha no paraenses de 1970. O destaque foi tão grande que, mesmo assediado pelo Paysandú, Dico já no ano de 1971 chega ao Baenão, onde escreveria uma história vitoriosa e entraria para a história do Clube como um dos supergoleiros a vestir a camisa número um do clube de Periçá.

Já no ano de 1971, a estrela do grande arqueiro ajuda o mais querido a conquistar o Norte e Nordeste de 1971 e o vice do Brasileiro do mesmo ano. Em 1972, com a entrada do Leão Azul do Norte, no Brasileiro unificado da primeira divisão do futebol Nacional, Dico se constitui uma das principais estrelas de um super time recheado de feras como Aranha, Dutra, Mendes, Tito, Hertz, Caito, Roberto e Alcino.

O destaque do pequeno grande goleiro é tanto, que ele acaba perdendo a disputa pela Bola de Prata para o goleiro do Palmeiras e Seleção brasileira Emerson Leão, somente pelo fato de ter Dico, realizado um número menor de jogos do que o goleiro do alviverde paulistano. Foram inúmeros os grandes goleiros que no período chegaram ao Baenão e sofreram na reserva dessa verdadeira fera: Deca, Luiz Fernando, Gelson, Ney, Helinho, Luisinho, Yane, foram exemplos de bons e consagrados nomes que tiveram que se render à categoria, à frieza, à colocação a impulsão e ao carisma desse esplêndido arqueiro, que somente foi ameaçado nos Brasileiros de 77 e 78 pelo Bola de Prata Edson Cimento, que foi o único a desbancar do arco azul o insuperável Frederico.

Dois tri campeonatos, 73/74/75 , 77/78/79, sendo um de forma invicta 73/74/75, quando ele se tornou no paraense de 1974 o goleiro a passar o maior tempo de jogo sem levar gols com os seus 1.048 minutos, mantendo invicta a cidadela azulina . Dico começa a perder o espaço a partir de 1981 depois de ter junto com o Remo conquistado o terceiro lugar no brasileiro daquele ano começa a perder a sua hegemonia no paraense, ficando a sombra do ex-goleiro tunante e bicolor Reginaldo. 

Em 03fev.1982, eu confesso ter sido muito estranho para mim ver Dico no Mangueirão jogando contra o Remo, defendo as cores do Sampaio Corrêa. Uma lenda, um campeoníssimo goleiro, que escreveu com glórias o seu nome na história no glorioso Leão Azul de Belém do Pará.  (Rocildo Oliveira, via Facebook)

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

MORREU Raimundo Mendes, o azulino "Mudinho"

Morre Raimundo Mendes, o “Mudinho”, irreverente funcionário do Remo



O FUTEBOL paraense amanheceu de luto nesta segunda-feira, 24 de agosto. Raimundo Mendes dos Santos, o “Mudinho”, como era conhecido no Remo, se sentiu mal na tarde do último domingo, em uma feira localizada próximo ao estádio Baenão, em Belém, foi levado para o Pronto Socorro, onde teve uma parada cardiorrespiratória e não resistiu. Mudinho tinha 49 anos, sendo 34 deles de serviços prestados ao Leão.

“É difícil achar palavras nesse momento, é muito difícil para nós. Agora vamos procurar dar força para a família dele e ver o que podemos fazer”, disse o meia Eduardo Ramos, que era um dos jogadores mais próximos de Mundinho.

Raimundo Santos, que era auxiliar de campo, realizaria o sonho de viajar de avião na próxima partida dos azulinos na Série D do Brasileirão, contra o Rio Branco (AC), no dia 06set., no Acre. Mesmo com as dificuldades de comunicação em razão da mudez, ele ficou conhecido pelo bom humor com que tratava os jogadores, comissão técnica e os jornalistas no Baenão.

“Estamos muito tristes com essa notícia. O Mudinho era uma pessoa sem igual, nunca chegou atrasado. Estamos à disposição para tudo o que a família precisar. Sem dúvida ele era muito importante para o Remo, estava no clube há 34 anos”, disse Fábio Bentes, diretor de Marketing do clube.

O Remo está tomando todas as providências e se dispôs a realizar o velório no estádio Baenão ou na sede social remista, mas a família pretende realizar a cerimônia na residência de Raimundo Mendes. O enterro será em um cemitério particular localizado no município de Marituba. (Remo 100%

Nossa homenagem a este grande azulino. Descanse na paz do Senhor Deus, amigo.