quinta-feira, 30 de abril de 2015

SHAZAN e Xerife

50 ANOS da Globo? Então parabéns ao Shazan e ao Xerife, dois heróis infantis que nunca viram a criança como mercado consumidor. Mas isso foi há muito tempo...

Gozado, tanta gente com lembranças boas mas pra mim foi uma época muito traumática. Eu tinha 8 anos, a gente não podia sair junto na rua, juntava gente sempre. E eu era sempre identificado como "o filho do Xerife". "Você vai ser ator igual ao seu pai?", foi a pergunta que mais ouvi durante anos. Acho que fiquei meio traumatizado...

Uma vez, na festa da chegada de Papai Noel, no Maracanã, os dois personagens foram aclamados no gramado do estádio. Na saída, porém, eu, meu pai e a minha mãe ficamos presos dentro do carro, envoltos por uma multidão que batia na lactaria e gritava, "Xerife!", "Xerife!". Ficamos todos apavorados, morrendo de calor ali dentro (imagine o bairro do Maracanã no mês de dezembro). Não podíamos nem abrir os vidros e o carro não andava. Nunca me esqueci do momento em que um cara colocou a boca no quebra-vento e gritou:

_ Orgulho mata, heim!

O carro foi andando devagar até se desvencilhar da turba. Foram os 200 metros mais longos e dramáticos da minha vida. (Marcelo Migliaccio, Rio Acima)

terça-feira, 28 de abril de 2015

MEMÓRIAS azulinas

Há 43 anos, o dia em que Alcino, o Negão Motora, humilhou a torcida do Paysandú em pleno estádio da Curuzu


Por Rocildo Oliveira

28 DE ABRIL DE 1972. Estamos aos 32 minutos iniciais de jogo e o Mais Querido vence por 1 a 0. Alcino , o maior centro avante que o Norte conheceu, domina a redonda na intermediária listrada, dribla Beto, dribla João Tavares e Jorge Correia; desesperado, o goleiro listrado Délcio abandona o arco, o gigante pára. Todos na curuzu ficam em silêncio; Alcino faz que chuta para o gol e o goleiro se atira ao gramado, e aí, diante de todos, numa profunda demonstração de superioridade, o gigante surpreende a todos e...

quinta-feira, 23 de abril de 2015

CÂNCER de próstata: é preciso tocar nesse assunto


PROBLEMAS cardiovasculares, câncer de pulmão, de pele e de próstata estão na lista das doenças que mais afetam os homens. O alcoolismo, o tabagismo, a má alimentação e a falta da prática de atividade física são os principais fatores que ocasionam muitas dessas doenças. Por isso conheça mais sobre os sintomas do câncer de próstata.
Entenda o que é o câncer de próstata

O câncer de próstata se desenvolve na glândula do órgão reprodutor masculino, responsável pelo armazenamento e produção do sêmen. Os homens que se encontram na zona de risco são os acima de 50 anos, obesos ou que tenham algum histórico da doença na família. Pesquisas também apontaram que negros tem maior risco de desenvolverem esse tipo de câncer, por isso devem recorrer aos exames mais cedo, com 45 anos. Homens com propensão genética devem recorrer ao médico já aos 40 anos.

O diagnóstico antecipado é a melhor maneira evitar futuras complicações. Ele deve ser feito periodicamente a partir dos 50 anos de idade através de um exame físico (o toque retal) e exame de sangue PSA. O médico responsável pela saúde masculina é do ramo da Andrologia, e o médico a ser procuro é um urologista. Muitas pessoas cometem o equívoco de procurar um proctologista, médico que trata doenças do ânus e reto.

O medo que muitos homens sentem quanto ao exame físico do câncer de próstata tem sido o principal motivo de campanhas governamentais sobre o assunto. Um exame que dura no máximo 15 segundos é indolor e pode salvar sua vida. Pensar na saúde e na importância que você tem para seus familiares e pessoas próximas é um grande estimulo para realizar a prevenção.
Quais os 6 sintomas do câncer de próstata

Os sintomas do câncer de próstata devem ser monitorados constantemente. Porém, os sintomas do câncer de próstata aparecem, na maioria dos casos, quando o tumor já cresceu e está em estado avançado. Os sintomas do câncer de próstata mais comuns são:

1. Dificuldade/dor para urinar ou ejacular.

2. Dor na região dos testículos.

3. Sensação de bexiga sempre cheia, mesmo tendo urinado. Urinar várias vezes à noite e em pequenas quantidades (pingado).

4. Sangue na urina ou no sêmen.

5. Dor nos quadris, na lombar e parte interna das coxas.

6. Disfunção erétil (dificuldade de ereção do pênis). Conheça o tratamento para disfunção erétil.

Disfunção erétil, o que é?

A disfunção sexual é um problema que faz parte do cotidiano de muitas pessoas. A falta de informações sobre o tema e o constrangimento em procurar ajuda podem impedir a busca por um tratamento eficiente e, por consequência, diminuir a qualidade de vida da população. O intuito deste ebook é esclarecer todas as dúvidas sobre disfunção erétil e ajudar quem sofre desse distúrbio.
Como prevenir o câncer de próstata

A prevenção é sempre o melhor remédio. Portanto, os médicos recomendam que todos os homens acima de 50 anos realizem o exame de toque e da dosagem de PSA anualmente. Para os que possuem histórico da doença na família, os médicos recomendam que esses exames sejam feitos a partir dos 45 anos.

Mantenha uma alimentação saudável e pratique exercícios físicos. O sedentarismo e o excesso de peso são fatores de risco comuns. Portanto, mantenha uma dieta rica em verduras, legumes, frutas, grãos e cereais integrais. Evite também o excesso de gordura. Esses hábitos, além de prevenir o câncer de próstata, ajudam a manter a saúde em dia e prevenir também outras doenças. Outros hábitos também ajudam na prevenção como evitar o cigarro e diminuir o consumo de álcool.

Estamos aqui para lhe ajudar, temos a melhor equipe médica, e os melhores tratamentos. Faça umaavaliação médica grátis para começar a melhorar sua saúde sexual. (https://grupodeandrologia.com.br/sintomas-do-cancer-de-prostata/?utm_source=facebook&utm_medium=cpc&utm_content=Anuncio1&utm_campaign=MelhorCampanha )

quarta-feira, 22 de abril de 2015

CLÁSSICOS do Valentim

Antônio Carlos & Jocafi: Teimosa


domingo, 19 de abril de 2015

VIVIANE Araújo vê o Paysandú, de seu namorado Radamés, perder de dois a zero para o Clube do Remo


"Mick Jagger de saia" ataca, Remo guerreiro bate Paysandu e vai à final. Namorada do meia Radamés, do Paysandu, atriz Viviane Araújo vê seu "amor" perder vaga para rival Remo, que vai à final da Copa Verde



SE MICK JAGGER ganhou a fama de pé-frio na Copa do Mundo de 2010, na Copa Verde tal rótulo ficará com a musa Viviane Araújo. Namorada do meia Radamés, do Paysandu, ela esteve presente no Mangueirão, em Belém, para torcer pelo “amor”, na tarde deste sábado. Contudo, o que a atriz foi um Remo “guerreiro”, que inverteu a vantagem do Papão, ganhou por 2 a 0, no tempo normal, e depois nos pênaltis, por 5 a 4.

No primeiro jogo, o Papão havia vencido, por 2 a 0, e tinha grande vantagem. O time bicolor, entretanto, tentou levar o jogo no “banho Maria” e acabou surpreendido por um bravo Leão. Melhor em todos os 90 minutos, os azulinos venceram na base da garra e foram empurrados pelos gritos das arquibancadas de “eu acredito” e “time de guerreiros”.

Na grande final, o Remo terá pela frente o Cuiabá, que eliminou o Luverdense nas semifinais. Em sorteio realizado na CBF, ficou definido que o primeiro jogo será no dia 29 de abril, no Mangueirão. A volta acontece no dia 6 de maio, na Arena Pantanal, em Cuiabá.


Pressão azulina

Quando a bola rolou, ficou claro quem estava precisando do resultado. O Remo entrou muito mais ligado e disposto a se expor ao ataque. O Paysandu, por sua vez, apoiou-se na vantagem construída na partida de ida e optou por uma postura mais cautelosa nos primeiros minutos.

Apesar da pressão, o Leão do Norte encontrou muitas dificuldades para criar chances claras de gol. Enquanto o goleiro Emerson bicolor se preocupava com o adversário rondando a área, o restante do time tentava encontrar uma forma de sair da marcação pressão do rival.

Sem qualidade para construir um lance de perigo na base do toque, o time azulino abriu o marcador em um lance individual. O volante Dadá soltou uma bomba da intermediária e marcou um golaço aos 40 minutos. O Papão só conseguiu assustar aos 47, após cabeçada do atacante Aylon.

Paysandú castigado

Na segunda etapa, o cenário do jogo não se alterou. O Remo continuou pressionando e o Paysandu continuou encontrando muitas dificuldades para sair do campo de defesa. Aos 15 minutos, quase saiu o segundo gol. O endiabrado Rony fez boa jogada e cruzou para a área. A zaga bicolor cortou antes que alguém completasse.

Percebendo o melhor momento do Leão, a torcida começou a apoiar nas arquibancadas do Mangueirão. Aos gritos de “eu acredito”, os torcedores empurraram o time em busca do segundo gol. O problema é que o clube remista não apresentava qualidade no setor ofensivo.

Nos minutos finais, o Papão tentou levar o jogo no “banho Maria” e acabou castigado por isso. Depois de muita pressão, o Remo chegou ao segundo gol aos 42 minutos. O atacante Val Barreto finalizou, Emerson não segurou e Sílvio completou para o gol.

Penais

Na cobrança das penalidades, o Remo apresentou um ótimo aproveitamento de 100%. Val Barreto, Dadá, Bismark, Max e Levy marcaram em suas cobranças. Augusto Recife, Radamés, Aylon e Leandro Canhoto anotaram os gols pelo Paysandu, mas Carlinhos acabou chutando na trave. (Futebol Interior)

sábado, 18 de abril de 2015

DOUTOR é só quem tem doutorado


“CHAME-ME de Doutor”, “Me respeite, sou um Doutor”. É “doutor” aqui, “doutor” ali. Nunca uma palavra – um título acadêmico, para o bom entendedor – foi tão vulgarizada em nosso país. Quer demonstrar respeito para alguém? Chame-o de doutor. As considerações são do professor Augusto Cesar, que cita como exemplo disso o que ocorreu em uma visita de um presidente brasileiro à Espanha. O cerimonial da presidência da República entregou a lista das autoridades que compunham a comitiva brasileira ao cerimonial do rei. Quando o mesmo já ia se afastando para tomar as devidas providências, retornou e perguntou ao cerimonial brasileiro se todos eram doutores. Constrangimento geral. Foi pedida de volta a lista para que fosse reformulada com os respectivos cargos. Lá, o cargo de doutor tem a mais alta relevância e não é qualquer um que tem o direito de usar o mesmo. Não é dito e nem usado de forma leviana como no Brasil. Confira os argumentos do especialista em cerimonial, eventos e protocolo.

1 - Aqui o problema começa ao se querer fazer um convite, enviar uma carta, uma petição, um cumprimento, e também na conversação em um evento publico ou social onde se encontram autoridades. É comum a pessoa se perguntar qual o pronome de tratamento que deve empregar, em meio as dezenas de expressões que se convencionou considerar as mais respeitosas.

2 - Penso que é uma falsa ideia considerar os pronomes de tratamento como necessários para manifestar respeito pelo cargo público que uma pessoa ocupa. Esses cargos, em uma democracia, são conferidos pelo povo e nenhum deles representa autoridade sobre pessoas; representam apenas responsabilidade pelo cumprimento da lei no setor específico da autoridade respectiva.

3 - O respeito pelo cargo de uma autoridade ou pela autoridade da mesma, ou pela pessoa que exerce a autoridade, consiste em respeitar a lei por cujo cumprimento ela é responsável, e não em chamá-la de doutor ou de excelentíssima. Como dito, os pronomes de tratamento são expressões do distanciamento e da subordinação em que uma pessoa voluntariamente se põe em relação a outra, a fim de agradá-la e ensejar um relacionamento cortês e quem sabe, conseguir algum favor.

4 - O principal pronome de tratamento, consagrado universalmente e o único que as pessoas comuns devem usar como necessária manifestação de respeito, não importa a quem estejam se dirigindo, é “senhor” e “senhora”, usando-se sempre o tratamento direto. A expressão Vossa Senhoria, pela razão acima exposta já emprestaria uma ênfase desnecessária à superioridade e, no meu entender, deveria ser evitada.

5 - O homem comum, mesmo quando se dirige ao Presidente da República (e eu já fiz eventos com três e nunca os chamei de doutor), ou quando fala dele, não deve utilizar mais que senhor presidente. Então, seria perfeitamente polido e respeitoso o tratamento na frase: "Senhor presidente, o senhor pode conceder-me uma audiência?", e o mesmo é válido para o tratamento com qualquer autoridade, inclusive juízes, reitores, deputados e senadores.

6 - É de notar, e isto eu acho muito importante, que também no tratamento que se dá ao reitor de uma universidade pode ser obrigatório o emprego daqueles anacrônicos pronomes de tratamento apenas para os professores e funcionários da universidade, que são seus subordinados, e para a burocracia, se a universidade for federal, estadual ou municipal. No caso de se tratar de uma universidade particular, apenas se o seu Conselho Universitário criar um protocolo contendo tal determinação estaria o seu corpo docente obrigado a empregar o pronome "Magnífico Reitor" ou "Vossa Magnificência". Portanto, nesse caso, se você quer chamar o seu reitor de magnífico com propriedade, apresse a aprovação do protocolo da sua instituição estabelecendo tal preciosismo.

7 - Os alunos das universidades tanto públicas quanto privadas, quando dirigem seus requerimentos ao reitor, não estão obrigados a tratá-lo por "Vossa Magnificência" nem a endereçar sua petição "Ao Magnífico Reitor", uma vez que não pertencem à instituição, apenas a frequentam. O tratamento que devem dar ao reitor é apenas Senhor Reitor.

8 - O emprego indevido de doutor é comum entre a gente mais humilde e sem instrução, e por funcionários mal preparados, que associam a palavra doutor a um status social ou a um nível de autoridade superior ao seu. Essas velhas divisões não são condizentes com a democracia.

9 - É necessário lembrar que não existe lei (recentemente houve um caso de um juiz que baixou uma norma para ser chamado de doutor) que obrigue uma pessoa comum a tratar outra por doutor. Esse tratamento só é obrigatório nos meios acadêmicos para aqueles que fizeram defesas (antigamente pública) de Tese de Doutorado. Muito menos um tratamento discriminatório desse tipo poderá ser um dever de civilidade ou de boas maneiras. Quando estabelecer um novo relacionamento, limite-se simplesmente ao uso de senhor ou senhora. 

10 - O título de doutor pode ser cassado. O de senhor e senhora nunca!

quinta-feira, 16 de abril de 2015

SANTA Bernadette!

Corpo incorrupto de Santa Bernadette

FILHA de um pobre moleiro chamado Francisco Soubirous e de Luísa Castèrot, Bernadette foi a primeira de nove filhos. Na sua infância trabalhou como pastora e criada doméstica. O pai esteve preso sob a acusação de furto de farinha, contudo foi absolvido.

Durante os dez primeiros anos viveu no moinho de Boly (onde nasceu). Depois, passando por graves dificuldades financeiras, a família muda-se para Lourdes onde vive em condições de miséria, morando no prédio da antiga cadeia municipal que fora abandonado pouco tempo antes. Apesar de parecer insalubre, moravam no andar superior do edifício, o do primo de Francisco Soubirous, pai de Bernadette, junto à sua mulher e seus filhos. Era um buraco infecto e sombrio, a divisão inabitável da antiga prisão abandonada por causa da insalubridade.

Desde pequena, Bernadette teve a saúde debilitada devido à extrema pobreza de sua habitação. Nos primeiros anos de vida foi acometida pelo cólera, o que a deixou extremamente enfraquecida. Em seguida, por causa também do clima frio no inverno, adquiriu asma aos dez anos. Tinha dificuldades de aprendizagem e na catequese, o que fez com que a sua primeira comunhão fosse atrasada. Não pôde frequentar a escola e até os quatorze anos manteve-se absolutamente analfabeta.

Em Lourdes, uma cidade com população em torno de quatro mil habitantes, no dia 11 de fevereiro de 1858, Bernadette disse ter visto uma aparição de Nossa Senhora numa gruta denominada massabielle, o que significa, no dialeto local - "pedra velha" ou "rocha velha" - junto à margem do rio Gave, aparição que de outra vez se lhe apresentou como sendo a Imaculada Conceição, segundo o seu relato.

Enquanto o assunto era submetido ao exame da hierarquia eclesiástica que se comportava com cética prudência, curas cientificamente inexplicáveis foram verificadas na gruta de "massabielle". Em 25 de fevereiro de 1858, na presença de uma multidão, por ocasião de uma das suas visões, surgiu sob as mãos de Bernadette uma fonte que jorra água até os dias de hoje no volume de cinco mil litros por dia.

De acordo com o pároco da cidade, padre Dominique, que bem a conhecia, era impossível que Bernadette soubesse ou pudesse ter o conhecimento do que significava o dogma da "Imaculada Conceição", então recentemente promulgado pelo Papa. Afirmou ter tido dezoito visões da Virgem Maria no mesmo local entre 11 de fevereiro e 16 de julho de 1858.

Afirmou e defendeu a autenticidade das aparições com um denodo e uma firmeza incomuns para uma adolescente da sua idade com o seu temperamento humilde e obediente, nível de instrução e nível sócio-econômico, contra a opinião geral de todos na localidade: sua família, o clero e autoridades públicas. Pelas autoridades civis foi submetida a métodos de interrogatórios, constrangimentos e intimidações que seriam inadmissíveis nos dias de hoje. Não obstante, nunca vacilou em afirmar com toda a convicção a autenticidade das aparições, o que fez até a sua morte.

Para fugir à curiosidade geral, Bernadette refugiou-se como "pensionista indigente" no hospital das Irmãs da Caridade de Nevers em Lourdes (1860). Ali recebe instrução e, em 1861, faz de próprio punho o primeiro relato escrito das aparições. No dia 18 de janeiro de 1862, Monsenhor Bertrand Sévère Laurence, Bispo de Tarbes, reconhece pública e oficialmente a realidade do fato das aparições.

Em julho de 1866 Bernadette inicia o seu noviciado no convento de Saint-Gildard e, em 30 de outubro de 1867, faz a profissão de religiosa da Congregação das Irmãs da Caridade de Nevers. Dedicou-se à enfermagem até ser imobilizada, em 1878, pela doença que lhe causou a morte.

Uma imensa multidão assistiu ao seu funeral no dia 19 de abril de 1879 que foi necessário ser adiado por causa da grande afluência totalmente inesperada. Em 20 de agosto de 1908, Monsenhor Gauthey, bispo de Nevers, constitui um tribunal eclesiástico para investigar "o caso Bernadette Soubirous". 

Santa Bernadette, rogai por nós!

quarta-feira, 15 de abril de 2015

MEMÓRIAS azulinas

Com dois golaços de Alex Dias, Leão abate o rival listrado e conquista o bicampeonato 1993/1994





FOI em 21 de julho de 1994. Este escriba estava lá naquela noite vitoriosa. O Remo venceu a partida, sagrando-se bicampeão, com a seguinte equipe: Clémer, Marcelo, Belterra, Flávio, Júnior, Cléberton, Mazinho, Mauro, Helinho (Papelim), Alex Dias, Tarcísio (Jean). Técnico: Waldemar Carabina.
O público pagante foi de 11.453 espectadores. Cláudio (PSC) e Mauro (Remo) foram receberam cartão vermelho. 

domingo, 12 de abril de 2015

LUZIDÍRIO Gaspar, um homem centenário

Luzidírio Gaspar, de Dois Vizinhos, nasceu no dia 25 de junho de 1909 no distrito de Vila Nova, em Pato Branco.

Seu Gaspar vai completar 106 anos

A COLONIZAÇÃO do Sudoeste (paranaense) se intensificou na década de 50, entretanto, no dia 26 de junho de 1909, no distrito de Vila Nova (Pato Branco), nascia Luzidirio Gaspar, conhecido como Lúcio. Na identidade, a cidade natal ainda é Clevelândia, município que já tem 122 anos. "Vivi em toda parte. Eu não parava em lugar nenhum. Caminhei, caminhei, caminhei e fui parando. Ficava só se mudando", lembra o idoso que reside em Dois Vizinhos. "Faz tempo [que chegou a Dois Vizinhos]. Eu não vou dizer que dia entrei porque não lembro", completa.



A idade, no entanto, ele tem na ponta da língua. "Eu tô com 105", conta. Ele teve 10 filhos (dois já faleceram), 17 netos e cinco bisnetos. A esposa, Doralina Gaspar, tem 88 anos e está internada em Francisco Beltrão com problemas de saúde. Indagado se encontrou muito mato quando chegou em Dois Vizinhos, Lúcio responde: "Era povoadinho. Tinha tudo que é tipo de bicho (risos). Tinha tigre, porco do mato, tateto, de tudo que é bicho, mas já mataram tudo pra comer, ou foram embora".

Ele sempre gostou de viver no interior. "Morei só no mato, trabalhei na roça. Fazia tudo que é serviço. Plantava, cortava, derrubava. Gostava muito da roça. A gente ia vender no cargueiro, do lado do cavalo. A bruaca no ombro. A gente tinha força no braço", afirma.   (Jornal de Beltrão, Francisco Beltrão - Paraná)

domingo, 5 de abril de 2015

CABELO de jogador do Remo ganha destaque internacional

¿El futbolista con el peinado más raro de la historia?


Ratinho, jugador del Remo brasileño, sorprendió con un espectacular corte de pelo ante el Atlético Paranaense



Ratinho, jugador de Clube do Remo, Brasil


LOS PEINADOS de muchos futbolistas son cada vez más llamativos por su extravagancia y rareza y crean tendencia entre los aficionados al fútbol. Los cambios de ‘look’ constantes de los futbolistas ya han dejado de sorprender y han pasado a formar parte del mundo del futbol, pero todavía hay algunos que dan un paso más, como en el caso del corte de pelo que lució Ratinho en el encuentro de Copa de Brasil ante el AtléticoParanaenense.

El jugador brasileño de 35 años saltó al césped con un peinado formado por hexágonos que imita la forma de un balón de fútbol. Rápidamente, las redes sociales se llenaron con la fotografía del jugador de este equipo de la Serie D de Brasil.

Pese a este peinado, el jugador no pudo sorprender a sus rivales en el terreno de juego y no pudo evitar que su equipo empatara a uno ante el Atlético Paranaenense. (Mundo Deportivo, Barcelona - Espanha)

sexta-feira, 3 de abril de 2015

SEXTA-FEIRA Santa!

Anúncio da Paixão de Cristo 

DITO isso, Jesus saiu com seus discípulos para o outro lado da torrente do Cedron. Lá havia um jardim, no qual ele entrou com os seus discípulos. Também Judas, o traidor, conhecia o lugar, porque Jesus muitas vezes ali se reunia com seus discípulos. [...] Jesus respondeu: "O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus guardas lutariam para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas, o meu reino não é daqui". [...] Eu não encontro nele nenhum motivo de condenação. [...] Quereis que eu vos solte o Rei dos Judeus?”. Eles, então, se puseram a gritar: “Este não, mas Barrabás!”. [...] Eles tomaram conta de Jesus. Carregando a sua cruz, ele saiu para o lugar chamado Calvário (em hebraico: Gólgota). Lá, eles o crucificaram com outros dois, um de cada lado, ficando Jesus no meio. [...] Depois disso, José de Arimateia pediu a Pilatos para retirar o corpo de Jesus; ele era discípulo de Jesus às escondidas, por medo dos judeus. Pilatos o permitiu. José veio e retirou o corpo. [...] No lugar onde Jesus foi crucificado havia um jardim e, no jardim, um túmulo novo, onde ninguém tinha sido ainda sepultado. Por ser dia de preparação para os judeus, e como o túmulo estava perto, foi lá que eles colocaram Jesus. (Jo 18, 1 - 19, 42)


O BLOGUE do Valentim deseja a todos os seus visitantes uma santa Páscoa. Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!