sábado, 31 de outubro de 2015

MINHA opinião sobre Remo vs. Botafogo - SP, a ocorrer em 1 nov. próximo

VOU AQUI dar minha humilde opinião sobre o embate de domingo.

Muita gente entendida no assunto tem falado que o Botafogo F. C. é um time muito bom porque eliminou o todo-poderoso São Caetano. Por isso é favorito a garantir a classificação diante do Remo.

Não vi o primeiro jogo entre Botafogo e São Caetano, em que o time de Ribeirão ganhou de 2 a 1. Mas vi o segundo jogo, 0 a 0.

Ora, pelo segundo jogo, não vi esse poderio todo do ex-famoso "Azulão". Passou-me a impressão que durante boa parte do jogo, o São Caetano jogou como se a qualquer momento fosse fazer o 1 a 0, placar que lhe interessava e eliminaria o Botafogo. Como não saia o gol salvador, somente nos últimos 20 minutos o time foi para cima do tricolor de Ribeirão, porém de forma muito desordenada, já no desespero. O time do Botafogo somente se defendia e, igual ao Remo no último jogo, ia ao ataque de forma esporádica. Acabou conquistando o resultado que lhe interessava, não tanto só por seus méritos, mas sobretudo pela inoperância do adversário.

Então, imprensa paraense, vamos deixar de onda e dizer o Botafogo é muito bom porque eliminou o São Caetano.

Além do mais, os times eram do mesmo estado, onde o fator clima não pesou tanto, E ainda, o São Caetano não tem torcida.

É a minha opinião antes de a bola rolar.

Vamos lá, Leão!!! 

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

SOBRE a dívida trabalhista do Clube do Remo

TRATA-SE, na minha humilde opinião, de um câncer que abala administrativamente o Clube do Remo. Refiro-me certamente à milionária dívida que o Clube possui junto à Justiça Trabalhista, em razão de pendências financeiras e contratuais junto a ex-funcionários, atletas e outros profissionais.

No Remo entra diretoria e sai diretoria e o assunto vem sendo, irresponsavelmente, empurrado com a barriga, como se diz popularmente. 

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

PELÉ eterno!











Parabéns, sr. Edison Arantes do Nascimento, eterno rei do futebol, por teus 75 anos de idade, e por seres brasileiro!


CORINTHIANS vs. Flamengo

Domingo tem Corinthians x Flamengo


TALVEZ não haja no mundo um jogo de futebol que reúna tantos torcedores no país em que é disputado como Corinthians e Flamengo.
Só na China, mas lá ainda não há times tão populares como os mais que centenários rubro-negro carioca e alvinegro paulista.


Pois o Corinthians, com seus agora quatro jogadores convocados para a Seleção Brasileira, recebe o Flamengo em Itaquera neste domingo, às cinco em ponto da tarde.
E o time carioca vem sem Emerson Sheik, ídolo corintiano desde que fez os dois gols contra o Boca Juniors na final da Libertadores de 2012. O Sheik está suspenso.
Mas Guerrero, o artilheiro peruano que fez os dois gols que valeram o bicampeonato mundial de clubes ao Timão, no Japão, virá, ele que, injustamente, passou de herói a vilão.
Tomara que seja bem recebido, como merece.
O Corinthians é o favorito, mas tudo de que o Flamengo precisa para ressurgir no Brasileirão é de uma vitória sobre o líder. (Juca Kfouri)

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

PEDRO Malazartes

A visita e os três pedidos


sexta-feira, 9 de outubro de 2015

NÃO ao racismo


DESDE ontem, quem entrou no banheiro masculino do Prédio 3 da Universidade Mackenzie, encontrou rabiscado atrás da porta: “Lugar de negro não é no Mackenzie, é no presídio.”

Em que ano estamos?

Segundo uma nota emitida após o episódio pela universidade, estamos em outubro de 2015, mês em que a instituição completa 145 anos de existência, de uma “história de ampliação de liberdades e construção de oportunidades” e de “compromisso com a defesa dos direitos e garantias individuais e coletivos”.

Mas será que seus alunos representam bem esse compromisso? O problema está na pouca dedicação em transmitir esses valores ou na falta de interesse dos estudantes em absorvê-los?

domingo, 4 de outubro de 2015

FLÁVIO Migliaccio

Canivete suíço


SEMPRE ouvimos falar da Suíça como um lugar frio, onde se fazia um bom chocolate e se podia guardar muito dinheiro em contas numeradas. Para mim, era o paraíso dos corruptos, que tinham ali um porto seguro para depositar a grana conseguida em negociatas inconfessáveis. A Suíça, portanto, era como a caverna da história de Ali Babá e os 40 ladrões, que guardavam ali os tesouros amealhados em sua pilhagens.

Só que a história mudou. Depois de ser criticado por décadas e décadas, o governo suíço reviu os dogmas se seu sigilo bancário. E não foi apenas isso. O país que legitimava, junto com outros paraísos fiscais do planeta, a triste máxima de que no Brasil o crime compensa, passou de vilão a herói quando seu ministério público começou a investigar o escândalo das propinas pagas pela companhia francesa Alstom a membros do governo de São Paulo durante a expansão do metrô paulistano. Claro que a imprensa daqui, tucana até a medula, só noticiou, timidamente, porque a roubalheira foi descoberta na Suíça. Mesmo assim, esqueceu o caso rapidinho. Os suíços não.

Também da Suíça veio uma lista de brasileiros com contas no HSBC de lá, muitas delas, ou a maioria, não declarada ao nosso fisco. Outro escândalo, aliás, negligenciado pelos nossos jornais, sempre tão severos quando se trata de atingir o PT e seus aliados.

E agora surgem as contas secretas do presidente da Câmara Federal, deputado Eduardo Cunha, e de seus parentes. Pelo menos US$ 5 milhões, coincidentemente a mesma quantia que Cunha teria recebido, segundo quatro delações premiadas da Operação Lava-Jato, para facilitar contratos assinados pela Petrobrás.

Ou seja, a Suíça, em pouco tempo, transformou-se num agente da moralização no Brasil. Só falta nossas autoridades punirem os criminosos. (Rio Acima)