sábado, 10 de dezembro de 2016

BLOGUE do Valentim há 5 anos!

Agatha Christie, a Rainha do Crime




NASCIDA Agatha May Clarissa Miller, ela se casou em 1914 com o Coronel Archibald Christie, um aviador da Força Aérea britânica. Com ele, teve sua única filha, Rosalind. Durante a Primeira Guerra, Agatha trabalhou como farmacêutica, o que lhe proporcionou, segundo consta, grandes conhecimentos sobre poções e veneno, que seriam mais tarde empregados em suas obras.


Ao contrário dos irmãos, Agatha nunca teve chance de frequentar a escola pública, e foi educada pela mãe, num ambiente quase recluso onde Agatha interessou-se pela música clássica e sonhava em ser cantora lírica. Agatha chegou até mesmo a estudar música em Paris. Em sua infância, também através da mãe, teve o primeiro contato com a literatura. 

Em seus 56 anos de carreira Agatha escreveu mais de 80 livros, fora as várias peças teatrais e adaptações cinematográficas e televisivas de suas obras, protagonizadas por Hercule Poirot, o detetive belga popularizado pelo uso de suas células cinzentas, e Miss Marple, a solteirona, que observando a natureza humana pode solucionar os mais obscuros mistérios.

Agatha está no Guiness Book of The Worlds Record como a autora mais vendida no mundo. Seus livros já venderam mais de 3 bilhões de cópias em 44 idiomas, os royalties gerados pelas obras são de US$4 milhões por ano. Agatha é também uma das autoras mais prolíficas do mundo. A autora também ocupa um lugar no Guinnes pela peça teatral de maior duração do mundo, The Mousetrap estreou em 25 de novembro de 1952 no Ambassadors Theatre em Londres, em 25 de março de 1974 foi para o St. Martin’s Theatre, e continua lá até hoje. 


Viagens



A primeira viagem de Agatha foi à França, e logo em seguida ela foi ao Cairo, mas uma de suas mais interessantes viagens foi à Bagdá no Orient Express (Expresso o Oriente), em 1928. Foi em Bagdá aliás que Leonard Wooley apresentou-a a Max Mallowan, seu futuro marido, e que mudaria a vida de Agatha completamente, nos próximos 30 anos ela viajaria o mundo em missões arqueológicas, e não teria mais residência fixa. A inspiração para o livro Assassinato no Expresso do Oriente, veio em 1931, quando Agatha ficou presa com outros passageiros no Simplon-Orient Express quando voltava de Nínive. O livro foi publicado em 1934 e baseia seu enredo exatamente nisso: um grupo de pessoas presas num trem por conta da neve.


Durante as escavações arqueológicas, além de ajudar o marido a restaurar e limpar objetos antigos, Agatha também escrevia. E foram suas descobertas sobre as civilizações passadas, que a levaram a se interessar pela vida nos desertos do Oriente Médio. Foi a disposição real do navio SS Karnak no Nilo que a inspirou a escrever Morte no Nilo. As escavações em Ur, para Morte na Mesopotâmia; as visitas a Petra para Morte entre as Ruínas; e uma experiência no sul da Mesopotâmia para Aventura em Bagdá.

Ao todo, é autora 66 novelas policiais, 163 histórias curtas, duas autobiografias, vários poemas, e seis romances “não crime” com o pseudônimo de Mary Westmacott. Pioneira em criar desfechos impressionantes, verdadeiras surpresas para os leitores, seus textos seguem fascinando as novas gerações.Sua única filha, Rosalind Hicks, morreu em 28 de outubro de 2004, também com 85 anos e, assim como a mãe, de causas naturais. A partir de então, os direitos sobre a obra de Agatha Christie passaram a pertencer ao seu neto, Mathew Princhard. (blog Cinemascope, de João de Deus Netto)

Uma boa obra de ficção deve permitir ao leitor filosofar e refletir sobre o mundo a partir de situações concretas. Antonio Carlos Vilela

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!
(BLOGUE do Valentim em 10dez2011)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO por comentar e volte sempre ao BLOGUE do Valentim!