domingo, 29 de janeiro de 2017

BLOGUE do Valentim há 5 anos!

As elites acham que pobre "dá muita despesa"


QUEM  quiser conhecer a crueza que a parcela da classe média brasileira que se deslumbra – e se crê ser , sem ser – com a elite deste país, visite a página do Estadão onde se noticia que o “Nordeste recebe metade dos benefícios do Bolsa Família em dezembro“, onde se noticia o óbvio: que a transferência de recursos para pessoas em situação de miséria é maior onde é maior a própria miséria.

A matéria não diz, mas os comentaristas explicitam: é um absurdo São Paulo receber menos bolsas-família que o estado da Bahia, o único dos estados nordestinos que supera o valor transferido aos paulistas que, é obvio, arrecadam mais tributos.
E aí as manifestações viram explicitudes.

“(…) o Sul e o Sudeste não tem nada a ver com as misérias do Nordeste. Os problemas do Nordeste precisam ser resolvidos pelos nordestinos, e não pelos paulistas ou gaúchos. O povo nordestino que se vire sozinho. Que cobre atitudes efetivas dos políticos que ele elege. A pobreza deles eh problema deles, e de ninguém mais.”, diz um deles. “Bem que o povo lá de cima podia começar a trabalhar como nós aqui para sentir o drama do que é viver contra o governo tirando tudo que você sua para ganhar.”, argumenta outro.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

FARMÁCIA Big Ben enganava consumidor



VEJAM só: quando se compra algo na rede de drogarias Big Ben, a loja pede que o troco seja doado a instituição filantrópica. E quase todo mundo doa. Eu mesma já fiz isso várias vezes. Pois um consumidor descobriu que, na verdade, a operação era de título de capitalização. Sentiu-se lesado, óbvio, e denunciou ao Ministério Público Federal, que realizou vistorias em várias lojas da rede e confirmou que a abordagem era a forma padrão de venda do título. 

Questionada pelo MPF, a Big Ben confessou que de fato o troco é usado como compra de título de capitalização, e que a rede de drogarias recebe remuneração pela emissora do título, a Icatu Capitalização. 

Leia o mesmo assunto em Ver-o-Fato

O procurador da República Bruno Araújo Soares Valente abriu inquérito e concluiu que “essa situação representa indução a erro aos adquirentes do título, visto que a eles é feita uma oferta de doar seu troco a uma instituição filantrópica, não lhes sendo informado que estão, na verdade, adquirindo títulos de capitalização, que inclusive lhes confere a possibilidade de participar de sorteios, e que realizam a cessão para a instituição filantrópica indicada de apenas metade do valor investido, gerando lucros para a sociedade de capitalização emissora do título e estabelecimento comercial no qual é feita a aquisição”. 

Para escapar de inevitável multa, a Big Ben acatou formalmente a recomendação do MPF e assumiu o compromisso de, ao invés de perguntar se o consumidor tem interesse em “doar” o troco a entidade assistencial, indagar se há interesse em adquirir título de capitalização que lhes confere o direito a participar de sorteios, com a cessão de seu direito de resgate – correspondente a metade do valor investido – em favor de instituição filantrópica. 

A Big Ben - que atua no Pará, Paraíba, Maranhão, Pernambuco e Piauí - terá também que afixar e manter, nos caixas de seus estabelecimentos comerciais, pelo prazo de 30 dias, cartazes com essas informações e, por pelo menos três dias, incluindo um domingo, divulgar esses esclarecimentos nos jornais do Pará, onde está a maioria das lojas da rede.

Mais sobre o assunto em Ver-o-Fato

Caso queiram denunciar desrespeito aos compromissos assumidos ou irregularidades similares de outras empresas, podem utilizar este link do site do MPF, ou o aplicativo SAC MPF, gratuito para smartphones dos sistemas Android ou iOS. 

Cliquem e leiam aqui a íntegra da recomendação. (Franssinete Florenzano em 24jan2017)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

CLÁSSICOS do Valentim

Gal Costa: Divino Maravilhoso, 1969




ATENÇÃO
Ao dobrar uma esquina

Uma alegria
Atenção, menina
Você vem
Quantos anos você tem?

Atenção
Precisa ter olhos firmes
Pra este sol
Para esta escuridão

Atenção
Tudo é perigoso
Tudo é divino maravilhoso


Atenção para o refrão

É preciso estar atento e forte
Não temos tempo de temer a morte
É preciso estar atento e forte
Não temos tempo de temer a morte

Atenção
Para a estrofe, para o refrão
Pro palavrão
Para a palavra de ordem

Atenção
Para o samba exaltação
Atenção
Tudo é perigoso
Tudo é divino maravilhoso
Atenção para o refrão

É preciso estar atento e forte
Não temos tempo de temer a morte
É preciso estar atento e forte
Não temos tempo de temer a morte

Atenção
Para as janelas no alto
Atenção
Ao pisar no asfalto mangue
Atenção
Para o sangue sobre o chão

É preciso estar atento e forte
Não temos tempo de temer a morte
É preciso estar atento e forte
Não temos tempo de temer a morte

Atenção
Tudo é perigoso
Tudo é divino maravilhoso
Atenção para o refrão

É preciso estar atento e forte
Não temos tempo de temer a morte
É preciso estar atento e forte
Não temos tempo de temer a morte

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

CLÁSSICOS do Valentim

Caetano Veloso: Irene, 1969



EU QUERO ir, minha gente, eu não sou daqui
Eu não tenho nada, quero ver Irene rir
Quero ver Irene dar sua risada
(2x)

Irene ri, Irene ri, Irene
Irene ri, Irene ri, Irene
Quero ver Irene dar sua risada

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

BLOGUE do Valentim há 2 anos!

A fina flor da juventude brasileira


QUANDO eu digo que nós da Tarjeta Branca, turma 171, éramos do jardim da infância pode parecer exagero a muitos que não viveram na condição de aluno da Escola de Especialistas naquele biênio, final da década de 1970. Em outras palavras também dizia-nos o mesmo o Professor Evandir (essa profissão deve ser grafada por extenso, tal era a grandeza daquele profissional que nos ministrava Educação Física, e ia além desta):

"Vocês são a fina flor da juventude brasileira".


Pois bem, estávamos todos no galpão de escreventes. Entre uma aula e outra, o intervalo se constituía em festa, tal a algazarra (ainda se diz assim?) que promovíamos. Uma delas era os apelidos que eram atribuídos (e o autor da maioria dos apelidos era o Délio, o nosso zero um) a vários de nós.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

OS 25 CLÁSSICOS estaduais mais populares do Brasil


AS PESQUISAS que mensuram as torcidas brasileiras geram discussões desde a década de 1960. Indo além do tamanho das massas, sempre o foco principal desses levantamentos, o blog resolveu projetar o tamanho absoluto das rivalidades, com os clássicos estaduais mais populares do país – o que não é sinônimo de rivalidade mais acirradas, cuja visão é mais subjetiva. Tomando como base o estudo do Paraná Pesquisas, divulgado em 25 de dezembro de 2016, foi possível chegar a 25 confrontos (quadro abaixo). Desses, 24 envolvem mais de um milhão de torcedores rivais, com as cinco regiões representadas.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

PARA Vigo me Voy

Floresta amazônica. Nunca ouviu falar?


CONSIDERO o filme Bye Bye Brasil, de Cacá Diegues, um dos maiores clássicos do cinema brasileiro, e seu protagonista um dos grandes atores do país. José Wilker é possuidor de vasta filmografia. O ator participou de mais de 70 filmes. Nessa produção Wilker encarna o impagável Lorde Cigano, um artista mambembe, que lidera a Caravana Rolidei, uma trupe de artistas circenses, que circula pelo país em um velho caminhão em luta pela sobrevivência. Além de Wilker, Bety Faria (Salomé) e Príncipe Nabor (Andorinha) compõem a trupe. Mais tarde, os sertanejos Fábio Júnior (Ciço) e Zaira Zambelli (Dasdô), sua mulher juntam-se ao grupo.

NÃO HÁ "meritocracia" num país socialmente desigual, racista e machista como este

Texto de Juíza que desnuda os mitos da 'meritocracia' viraliza nas redes sociais





A "MERITOCRACIA” é o processo de alavancamento profissional e social como consequência dos méritos individuais de cada pessoa, ou seja, dos seus esforços e dedicações.

Quem defende a teoria da meritocracia, acredita que qualquer pessoa possa chegar onde quiser apenas através do seu esforço.